OIT prevê mais desemprego em 2012 e critica austeridade

Cerca de 202 milhões de pessoas estarão desempregadas este ano, segundo a organização

Genebra - As políticas de austeridade obscurecem as perspectivas de trabalho e cerca de 202 milhões de pessoas estarão desempregadas este ano, seis milhões a mais do que no ano passado, segundo relatório sobre o emprego em 2012, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), publicado em Genebra.

"Nossa estimativa provisória para o ano de 2011 é que o desemprego tenha sido de 196 milhões de pessoas e que passaremos em 2012 a 202 milhões, um aumento de seis milhões, e em 2013, a 207 milhões", declarou o diretor do Instituto Internacional de Estudos Sociais da OIT, Raymond Torres.

"Isso significa que seria alcançada uma taxa de desemprego de cerca de 6,1% em 2012", disse.

Segundo a OIT, há um déficit de cerca de 50 milhões de empregos com relação à situação anterior à crise financeira de 2008.

Mas segundo a organização com sede em Genebra, é pouco provável que a economia cresça a um ritmo suficiente nos dois próximos anos para acabar com o atual déficit de empregos e ao mesmo tempo dar trabalho aos mais de 80 milhões de pessoas que chegarão ao mercado no mesmo período.

A tendência é especialmente preocupante na Europa, onde a taxa de desemprego aumentou em quase dois terços dos países desde 2010, segundo o relatório da OIT. Além disso, destacam os especialistas, a recuperação do mercado de trabalho está em "ponto morto" no Japão e nos Estados Unidos.

Em outras partes do globo, a oferta de trabalho não está à altura das necessidades de uma população ativa cada vez mais abundante e qualificada, como na China. O déficit de emprego é crítico na maior parte do mundo árabe e na África, segundo a OIT.

O relatório informa que esta deterioração do mercado trabalhista se traduz em um maior risco de problemas sociais, especialmente na Europa, Oriente Médio, norte da África e a África subsahariana.

Contudo, a OIT observa um menor risco de problemas sociais na América Latina, onde constata uma melhora do mercado trabalhista.

Para a OIT, a degradação da situação trabalhista se deve às dificuldades de acesso a crédito, sobretudo para as pequenas e médias empresas nas economias avançadas, e as medidas de austeridade aplicadas para "tranquilizar os mercados financeiros".

"A austeridade não produziu mais crescimento econômico", destacou Torres. Ele criticou as políticas de austeridade "contraproducentes", que deram lugar a um débil crescimento econômico e destruíram empregos, sem nem sequer reduzir de forma considerável os déficits orçamentários.

"Por exemplo, na Espanha, o déficit foi reduzido em um pouco mais de 9% do PIB em 2010 a 8,5% do PIB em 2011, uma diminuição muito pequena depois de um programa de austeridade drástico", destacou Torres.

Como consequência, a OIT estimula os governos a reativar a demanda interna e comemora que em alguns países, na América Latina, na Índia, África do Sul e recentemente na China, os salários aumentaram progressivamente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.