OIT diz que 168 milhões de crianças trabalham no mundo

Em todo o mundo, 168 milhões de crianças são obrigadas a trabalhar, segundo a Organização Internacional do Trabalho

	Trabalho Infantil: OIT elogiou práticas à famílias que levam filhos à escola, como o Bolsa Família
 (Arquivo ABr)
Trabalho Infantil: OIT elogiou práticas à famílias que levam filhos à escola, como o Bolsa Família (Arquivo ABr)
D
Da RedaçãoPublicado em 11/06/2014 às 09:57.

Genebra - Em todo o mundo, 168 milhões de crianças são obrigadas a trabalhar, um número que caiu nos últimos anos, mas que deve ser reduzido a zero, lembrou hoje a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que elogiou ainda a iniciativa do Bolsa Família, por ocasião do Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil.

Segundo as últimas estimativas mundiais da OIT, em um relatório publicado em 2013, o número de crianças trabalhadoras caiu de 215 milhões para 168 milhões entre 2008 e 2012.

E dos 168 milhões, cerca de 85 milhões realizam trabalhos perigosos.

Na região da Ásia e o Pacífico é registrado o número mais alto de crianças (quase 78 milhões ou 9,3% da população infantil) e África Subsaariana continua sendo a região com a mais alta incidência de trabalho infantil (59 milhões, mais de 21%).

Na América Latina e no Caribe, existem 13 milhões de menores que se veem obrigados a trabalhar (8,8%), enquanto na região do Oriente Médio e África do Norte há 9,2 milhões (8,4%).

A agricultura continua sendo o setor que emprega o maior número de crianças (98 milhões, ou 59%), enquanto o número de crianças nos serviços (54 milhões) e na indústria (12 milhões) não é insignificante, dado que a maioria se encontra principalmente na economia informal, diz o relatório.

Desde 2000, foi registrada uma diminuição de 40% do trabalho infantil nas meninas, enquanto nas crianças a diminuição foi de 25%.

A OIT considera que para acelerar a diminuição do trabalho infantil é preciso investir em proteção social.

"Não há segredo algum sobre o que é necessário fazer", declarou, citado em comunicado, o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

"A proteção social, junto à educação formal de qualidade, universal e obrigatória pelo menos até a idade mínima de admissão ao trabalho, o trabalho decente para os adultos e os jovens em idade de trabalhar, uma legislação eficaz e um diálogo social consolidado, fazem parte de uma resposta adequada ao trabalho infantil".

Segundo o organismo, as políticas de proteção social bem concebidas que respondam às necessidades das crianças, podem ter um impacto real na luta para erradicar o trabalho infantil

Os governos destinam na média 0,4% do PIB em prestações familiares e para os filhos, o número varia entre 2,2% nos países da Europa Ocidental e 0,2% na África e na região da Ásia e do Pacífico.

A organização destaca algumas "boas práticas" como os programas de transferência de dinheiro para as famílias que levam seus filhos à escola.

Um dos exemplos é o programa Bolsa Família, do Brasil, além do programa de prestações familiares da Mongólia e o subsídio de apoio à infância da África do Sul.

Para comemorar o dia, a OIT lançará amanhã a campanha "Cartão vermelho para o trabalho infantil", com uma canção inédita, "Till Everyone Can See", interpretada pelo guitarrista Mike Einziger do grupo Incubus e pela violinista Ann Marie Simpson, acompanhados por artistas como Pharrell Williams, Hans Zimmer, Dominic Lewis, Travis Barker, Minh Dang e LIZ.