Novo ministro argentino prepara plano para atrair dólares

Massa foi nomeado pelo presidente Alberto Fernández na semana passada após a saída de Silvina Batakis, que durou apenas três semanas no cargo
Cristina Kirchner, Alberto Fernandez e Sergio Massa na saída do Congresso, em Buenos Aires (AFP/AFP)
Cristina Kirchner, Alberto Fernandez e Sergio Massa na saída do Congresso, em Buenos Aires (AFP/AFP)
B
BloombergPublicado em 02/08/2022 às 11:17.

O novo ministro da economia argentino Sergio Massa prepara um conjunto de medidas para enfrentar um dos principais problemas do país: a escassez crônica de dólares que fez com que a moeda americana disparasse no mercados de câmbio paralelo.

Massa, que foi nomeado pelo presidente Alberto Fernández na semana passada, como chefe de um ministério da economia ampliado e mais poderoso, deve divulgar incentivos aos exportadores, bem como políticas para atrair mais investimentos estrangeiros e captar receitas adicionais de turismo, segundo pessoas com conhecimento do plano.

Na segunda-feira, Massa convocou Raul Rigo, que renunciou há apenas um mês junto com o ex-ministro da economia Martín Guzmán, para retornar como secretário do Tesouro. Massa continuará nomeando membros da equipe até terça-feira, e disse que anunciará medidas em uma coletiva de imprensa na quarta-feira, depois de tomar posse.

O plano está sendo finalizado com um renovado senso de urgência. A diferença entre as taxas de câmbio oficial e paralela no mês passado atingiu o nível mais amplo desde os dias de hiperinflação do final da década de 80 e década de 90, antes de diminuir nos últimos dias.

As reservas estrangeiras estão escassas, já que os argentinos, temendo uma escalada da crise que afligiu dois ministros da economia no mês passado, continuam a sacar dólares de suas contas.

LEIA TAMBÉM: Viagem para Argentina: veja os preços dos pacotes para as cidades mais procuradas

Entre as medidas em consideração estão algumas que visam melhorar as condições que incentivariam os agricultores a vender suas colheitas, que é a principal fonte de divisas para o país, disseram as pessoas. Isso pode incluir algum tipo de incentivo fiscal para os agricultores, disse uma das pessoas, ou a possibilidade de eles terem acesso a uma taxa de câmbio mais fraca do que a oficial, disse outro. Nenhuma decisão oficial foi tomada ainda.

A equipe de Massa também analisa medidas para garantir que as moedas estrangeiras trazidas pelos turistas entrem no setor financeiro formal.

Um porta-voz de Massa não quis comentar.

LEIA TAMBÉM: Argentina: mercados reagem com otimismo e Sergio Massa anunciará medidas no dia 3

Em uma tentativa de reforçar a credibilidade do governo no exterior, Massa viajará para Washington, Nova York, Paris e Catar na terceira semana de agosto para reuniões com investidores e credores internacionais, disse uma das pessoas. A equipe do FMI se reuniu na semana passada com o antecessor de Massa, Silvina Batakis, que durou apenas três semanas no cargo.

Em algum momento desta semana, Massa planeja se encontrar com a poderosa vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner, segundo uma das pessoas com conhecimento do assunto.

Os investidores observam se a influência política de Massa permitirá que ele implemente uma estrutura econômica mais convencional, à qual a coalizão governista resistiu até agora, em particular cortes de gastos, desvalorização cambial e menos impressão de dinheiro.

Lisandro Cleri, chefe do braço de gestão do fundo de pensão estatal do país, está sendo considerado para um cargo no banco central, segundo pessoas com conhecimento do assunto. Espera-se que o presidente do banco central, Miguel Pesce, permaneça no cargo.

Cleri não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

(Bloomberg)

LEIA TAMBÉM:

Fila para saque, falta de cédulas e inflação em alta: a rotina dos turistas na Argentina

Tesouro em dólares é encontrado enterrado em lixão na Argentina

Além da Argentina, real ganha poder de compra em outros países da América Latina