Economia

Novo Carf é determinante para arrecadação em crise, diz Levy

Segundo ministro da Fazenda, novo regimento aumentará a transparência do Carf


	Joaquim Levy participa da cerimônia inaugural de retorno das sessões de julgamento do Carf
 (Elza Fiúza/Agência Brasil)

Joaquim Levy participa da cerimônia inaugural de retorno das sessões de julgamento do Carf (Elza Fiúza/Agência Brasil)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de julho de 2015 às 18h09.

Brasília - O novo regimento e a nova composição trarão mais rapidez e aumentarão a transparência do Conselho Administrativos de Recursos Fiscais (Carf), disse hoje (28) o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Ele participa da sessão de reabertura dos julgamentos do Carf, que teve os trabalhos suspensos por quatro meses após a deflagração da Operação Zelotes, e disse que o conselho terá papel primordial para reforçar o caixa do governo federal em momento de queda na arrecadação.

O ministro ressaltou que a diminuição, de 216 para 144, do número de conselheiros e a reorganização das câmaras de recursos trarão mais celeridade aos julgamentos.

A adoção de um sistema eletrônico que permite a visualização simultânea de processos por vários conselheiros, ressaltou Levy, também contribuirá para a aceleração dos processos, reduzindo o tempo dos pedidos de vista.

Ele destacou ainda que o sorteio dos processos garantirá imparcialidade e aumentará a transparência do órgão.

Para o ministro, as mudanças no Carf atenderam a um pedido da sociedade. Levy solicitou o engajamento dos representantes do governo e dos contribuintes.

“Detectados os desvios, [a reformulação do Carf] permitiu que a sociedade brasileira tenha a possibilidade de se renovar, de encontrar saídas. De maneira que, depois de um choque, a gente esteja melhor que antes, que a sociedade tenha mais transparência e a economia tenha mais segurança. Para alcançar isso, é necessário cooperação”, disse.

Num momento de queda da arrecadação, o ministro declarou que a atuação do Carf, que julga processos avaliados em R$ 580 bilhões, é essencial para reforçar os cofres federais.

Apenas a Câmara Superior, última instância de decisão do órgão, revisa cerca de 12 mil processos no valor de R$ 105 bilhões.

“Ando catando, com a Receita [Federal] e a PGFN [Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional], os R$ 100 bilhões que o Carf mandou. Temos de fazer valer as decisões, tanto em favor do contribuinte como da sociedade como um todo”, ressaltou.

Responsável por julgar as multas aplicadas pela Receita Federal a empresas, o Carf estava com as atividades paradas desde o fim de março, após a Operação Zelotes da Polícia Federal.

A operação investigou um esquema de tráfico de influência para cancelar ou dar descontos em multas a grandes empresas. O prejuízo inicial foi estimado em R$ 5 bilhões, mas, de acordo com a Polícia Federal, pode chegar a R$ 19 bilhões.

Uma das principais mudanças, articulada com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), proibiu advogados que atuem em causas privadas de serem conselheiros do Carf.

A nova regra fez cerca de 75% dos representantes dos contribuintes pedirem para sair do órgão.

Acompanhe tudo sobre:economia-brasileiraGovernoJoaquim LevyOperação Zelotes

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame