Mercado já aposta no 10º calote da dívida da Argentina

Quando a Argentina saiu do último grande default, em 2005, o spread dos novos títulos era menos da metade do atual.

Nas próximas semanas, se tudo correr conforme o plano, autoridades argentinas darão os toques finais em um acordo de reestruturação de títulos e encerrarão o nono episódio de calote da dívida na história do país.

Operadores do mercado de títulos já estão se preparando para o décimo. Eles se recusam a subir o valor dos títulos antigos que serão trocados até o preço acertado pelo governo e os principais grupos de credores. Ao fazer isso, manifestam profundas dúvidas sobre a capacidade do governo de honrar suas obrigações, mesmo após o acordo que reduziu em US$ 38 bilhões o montante devido na próxima década.

O preço vigente em Wall Street para os títulos antigos — cerca de 44 por cento do valor de face — implica que os novos títulos concedidos em troca serão negociados inicialmente com rendimento de quase 12%. Ou seja, mais de 11 pontos percentuais acima da referência estabelecida pelos títulos do Tesouro americano.

Esse spread faz com que a dívida seja considerada em “estresse” e sinaliza alto risco de inadimplência. Quando a Argentina saiu do último grande default, em 2005, o spread dos novos títulos era menos da metade do atual.

Mas as circunstâncias eram muito diferentes naquela época, tanto em casa quanto no exterior. A economia chinesa crescia à velocidade da luz, embalando a demanda pelas principais exportações argentinas: soja e milho. Os cofres públicos em Buenos Aires ficaram subitamente cheios e a economia local estava se expandindo.

Hoje, com a pandemia do coronavírus devastando a economia mundial e a demanda por commodities, a Argentina está atolada em uma profunda recessão. Especialistas preveem contração de aproximadamente 12% este ano. O presidente Alberto Fernandez, de esquerda, não demonstra inclinação para tratar as falhas estruturais nas contas públicas. Com um enorme déficit no orçamento e incapaz de atrair investidores para obter novos empréstimos, a nação imprime dinheiro tão rápido que recentemente esgotou sua capacidade de impressão e precisou importar cédulas.

“Não vejo como isso poderia acabar bem”, disse Joaquin Almeyra, operador de renda fixa da Bulltick, em Miami. “O país tem problemas demais e esta é uma das razões para não haver novos investidores comprando papéis da Argentina.”

O mercado está enviando um recado claro: apesar de todos os esforços para tornar seu endividamento mais administrável, a Argentina aceitou pagar aos credores mais do que poderia, cerca de 55 por cento do valor de face dos títulos.

A assessoria de imprensa do Ministério da Economia não quis comentar os termos do acordo nem os preços praticados no mercado.

Em 4 de agosto, durante uma análise predominantemente elogiosa do acordo recém-anunciado, o ministro da Economia, Martin Guzman, disse que ainda existem riscos. “No âmbito de uma notícia muito positiva, nós também precisamos manter alguma cautela e entender que os problemas não terminam aqui, mas que este é um passo importante”, disse ele a repórteres.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também