A página inicial está de cara nova Experimentar close button

IPCA-15 sobe menos que esperado, volta a ficar na meta

Índice foi beneficiado pelo ritmo menor na alta dos preços de alimentos e habitação e que o levou de volta para abaixo do teto da meta

São Paulo - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15, prévia da inflação oficial, subiu menos que o esperado em novembro, beneficiado pelo ritmo menor na alta dos preços de alimentos e habitação e que o levou de volta para abaixo do teto da meta.

O IPCA-15 subiu 0,38 por cento em novembro, depois da alta de 0,48 por cento no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

No acumulado em 12 meses, subiu 6,42 por cento, depois de ter chegado a 6,62 por cento em meados de outubro e ficar acima do limite da meta do governo, de 4,5 por cento pelo IPCA, com tolerância de 2 pontos percentuais para mais ou menos.

Pesquisa Reuters com analistas mostrou que a expectativa era de alta mensal de 0,48 por cento e de 6,54 por cento no acumulado em 12 meses. A variação mensal do IPCA-15 ficou abaixo da menor projeção da pesquisa, de 0,41 por cento.

Embora tenham desacelerado, e contribuído para a alta menor do índice, os preços dos alimentos tiveram o maior impacto altista no mês, com 0,l4 ponto percentual. Carnes e frutas foram os destaques do grupo.

Também tiveram impacto importante na alta do IPCA-15 de novembro energia elétrica, aluguel e gasolina. Esta última teve aumento anunciado no começo do mês pela Petrobras, após o segundo turno da eleição que reelegeu a presidente Dilma Rousseff. O Banco Central, que corre o risco de descumprir a meta de inflação neste ano pela primeira vez em uma década, subiu os juros em sua última reunião de política monetária no final do mês passado e deve repetir a dose nos próximos meses.

Agora, a Selic está em 11,25 por cento ao ano e, pesquisa Focus do BC com economistas mostra que, pela mediana, a taxa básica de juros deve ir a 11,50 por cento até o final deste ano e a 12 por cento no de 2015. (Por Alexandre Caverni)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também