IBC-Br: 'Prévia do PIB' tem 4ª queda seguida e o pior outubro em 7 anos

No trimestre móvel até outubro, o IBC-Br recuou 0,94%. Sobre o mesmo mês de 2020, houve baixa de 1,48%
 (Cesar Okada/Getty Images)
(Cesar Okada/Getty Images)
Por ReutersPublicado em 15/12/2021 09:41 | Última atualização em 15/12/2021 09:43Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A economia brasileira começou o quarto trimestre em tom desanimado, amargando em outubro a quarta queda mensal seguida e no pior desempenho para o mês em sete anos, num mau presságio sobre os rumos da atividade neste fim de ano e para a herança a ser deixada para 2022.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central-Brasil (IBC-Br) --uma medida da evolução do ritmo de atividade no país-- caiu 0,40% em outubro sobre setembro, com dados ajustados sazonalmente, informou o Banco Central nesta quarta-feira.

A queda foi mais forte do que a de 0,20% prevista por analistas em pesquisa da Reuters.

No trimestre móvel até outubro, o IBC-Br recuou 0,94%. Sobre o mesmo mês de 2020, houve baixa de 1,48%.

Nos três meses até outubro de 2021 sobre um ano antes, o índice registrou alta de 1,06%. O IBC-Br sobe 4,99% no acumulado de 2021 e ganha 4,19% em 12 meses.

A baixa de 0,40% em outubro sobre setembro foi a mais forte para o mês desde 2014 (-0,60%). O dado de setembro foi revisado para pior e agora mostra retração de 0,46%, ante contração de 0,27% reportada inicialmente.

Com a revisão para pior, o IBC-Br marcou contração de 0,65% no terceiro trimestre ante os três meses anteriores, frente à taxa negativa de 0,14% divulgada inicialmente. O número também indica recessão técnica, conforme já apontado pelo IBGE nos números do PIB do terceiro trimestre, que caiu 0,1%.

O IBC-Br já havia recuado 0,45% em agosto e 0,12% em julho. A série negativa de quatro meses é a mais longa desde as seis baixas consecutivas registradas entre julho e dezembro de 2016.

  • Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

 

Veja também

  • Preço do gás deve subir até 41% no Rio após reajuste da Petrobras