Economia

Haddad anuncia acordo de R$ 26,9 bi com governadores para recomposição das perdas com ICMS

Ministro se comprometeu a fazer repasses até 2026; do total acordado, cerca de R$ 9 bilhões já foram compensados através de liminares concedidas pelo STF

Ministro Fernando Haddad na Fiesp (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Ministro Fernando Haddad na Fiesp (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Alessandra Azevedo
Alessandra Azevedo

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 10 de março de 2023 às 15h04.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou nesta sexta-feira, 10, que fechou um acordo com os governadores sobre a compensação pelas perdas arrecadatórias decorrentes das mudanças no ICMS promovidas em 2022.

O governo federal se comprometeu a compensar os estados em R$ 26,9 bilhões, valor que será pago em parcelas ao longo dos próximos anos ou descontado de dívidas dos estados com a União.

O acordo será levado ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Congresso. "Estamos chegando a um consenso entre 27 governadores e a União", afirmou Haddad, em pronunciamento à imprensa. "Não ia terminar março sem essa pendência resolvida", disse.

Segundo o ministro, o acordo não afeta as projeções econômicas do governo federal anunciadas em janeiro desde ano.

O impacto será diluído ao longo dos próximos anos, até 2026. Em 2023, serão pagos R$ 4 bilhões. O valor poderá ser transferido diretamente pela União aos estados ou abatido de parcelas de dívidas dos entes com o governo federal.

Haddad afirmou que, do total acordado, cerca de R$ 9 bilhões já foram compensados através de liminares concedidas pelo STF a estados devedores da União no grupo de trabalho criado pela Corte para discutir o assunto. São Paulo e Piauí estão nessa lista.

Acordo prevê repasses aos estados até 2026

As regras acordadas entre o Ministério da Fazenda e os governadores para a recomposição das perdas são as seguintes:

  • Estados que têm a receber até R$ 150 milhões: 50% em 2023 e 50% em 2024, com recursos do Tesouro Nacional;
  • Estados que têm a receber entre R$ 150 milhões e R$ 500 milhões: 1/3 do valor a receber em 2023 e 2/3 em 2024;
  • Acima de R$ 500 milhões a receber: 25% em 2023, 50% em 2024 e 25% em 2025;
  • Estados em Regime de Recuperação Fiscal (Rio de Janeiro, Goiás e Rio Grande do Sul): mesmas regras dos anteriores, mas o adicional de R$ 900 milhões será compensado na dívida em 2026.

Estados perderam receitas em 2022

Em junho do ano passado, por iniciativa do governo Bolsonaro, o Congresso aprovou um projeto que reduzia o ICMS sobre combustíveis, energia elétrica e telecomunicações, com o objetivo de segurar aumentos de preços. O texto estabeleceu que a alíquota não poderia ultrapassar 17% ou 18%, dependendo do estado.

O governo atual se comprometeu com a recomposição das receitas perdidas, mas faltava chegar a um consenso sobre os valores devidos aos estados. Os governadores calculavam algo em torno de R$ 45 bilhões, enquanto Ministério da Fazenda estimava um impacto de R$ 22 bilhões. 

O assunto chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF), que criou um grupo de trabalho para tratar da recomposição. Em 28 de fevereiro, Haddad se reuniu com o ministro Alexandre de Moraes para discutir a melhor forma de resolver o impasse.

Em 14 de fevereiro, governadores se encontraram com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) para tratar do assunto. Na saída, disseram que a expectativa era de resolução até março, logo depois do carnaval, para que as medidas possam ser aprovadas pelo Congresso no primeiro semestre do ano.

Acompanhe tudo sobre:Fernando HaddadMinistério da FazendaICMSGovernadores

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Jorge Gerdau e o 'divisor de águas' no desenvolvimento do país

Após enchentes, atividade econômica no RS recua 9% em maio, estima Banco Central

Lula se reúne hoje com equipe econômica para discutir bloqueios no Orçamento deste ano

CCJ do Senado adia votação da PEC da autonomia financeira do BC

Mais na Exame