EUA pressionam China após desvalorização do iuane

A desvalorização do yuan tem sido considerada como um esforço desesperado de Pequim para estimular as exportações e a atividade

O secretário do Tesouro americano, Jacob Lew, instou a China a continuar com suas reformas econômicas e financeiras após a inesperada forte desvalorização do iuane.

Lew conversou por telefone com o vice-primeiro-ministro chinês, Wang Yang, e afirmou que Washington reconhecia os progressos da China em matéria de reformas financeiras, especialmente quanto o novo método de cálculo mais transparente da taxa de câmbio do iuane.

"Mas, o secretário Lew ressaltou a necessidade de a China centrar-se em reformas para avançar no sentido de uma economia impulsionada principalmente pelo consumo das famílias, em vez das exportações, o que é de interesse tanto da China quanto dos Estados Unidos", segundo o departamento do Tesouro.

A desvalorização do iuane tem sido considerada como um esforço desesperado de Pequim para estimular as exportações e a atividade. De fato, a segunda maior economia do mundo está em plena desaceleração, e as Bolsas chinesas caíram cerca de 30% em três semanas.

O Banco Popular da China também adotou um novo método de cálculo da taxa de referência diária do iuane, para aproximar a moeda de seu preço de mercado, embora essa medida pouco tenha refletido na economia.

Washington continua preocupado com a política de desvalorização do iuane, que teria por objetivo fomentar as exportações chinesas em detrimento das importações.

Lew conversou com Wang antes da visita a Washington do presidente chinês Xi Jinping, em setembro, quando a política econômica da China será um dos vários temas-chave discutido com o presidente americano, Barack Obama.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.