Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Estudo global: confiança no governo é maior do que nas empresas

Desemprego preocupa 56% dos trabalhadores e apenas 29% confiam nos CEOs, segundo pesquisa da Edelman, realizada em 11 países, que mede efeito do coronavírus

A crise do coronavírus provocou uma reviravolta nos índices de confiança da população, segundo pesquisa realizada pela empresa de relações públicas Edelman, em 11 países (o levantamento não inclui o Brasil). Em janeiro, antes da pandemia, ONGs e empresas eram vistas como mais confiáveis em relação aos governos. A situação se inverteu e, agora, apenas a mídia sofre mais desconfiança do que as máquinas públicas.

O estudo é publicado todo início do ano. Em razão da crise, a Edelman divulgou uma atualização nesta semana. Os números mostram que todos os segmentos experimentaram um acréscimo de confiança, nos últimos meses. Para os governos, no entanto, o aumento foi mais do que o dobro dos outros setores.  

Em maio, o índice de confiança no governo era de 65%, ante 54% em janeiro. No mesmo período, as ONGs e as empresas passaram de 58% para 62%, e a mídia de 51% para 56%. Entre os países pesquisados, a China é o que apresenta o maior índice de confiança governamental: 95%. Em seguida, aparecem Índia (87%), Arábia Saudita (83%) e Canadá (70%). Na outra ponta estão o Japão (38%), os Estados Unidos (48%) e a França (48%). 

Para 73% dos entrevistados, as medidas restritivas e de isolamento são razoáveis e adequadas. Esse índice é maior no México (85%), no Japão (82%) e no Canadá (81%). Na China, onde a quarentena foi mais severa e o governo utiliza métodos invasivos de controle, 63% concordam com as políticas. Apesar disso, mais de 90% dos chineses concordam em compartilhar informações pessoais para ajudar no combate à pandemia, percentual acima da média global, que é de 61%. 

Em se tratando de especialistas e executivos, os CEOs são os que menos demonstram confiança. Apenas 29% afirmam que os líderes empresariais estão realizando um bom trabalho na pandemia. Cientistas e acadêmicos são os mais bem avaliados, com 53% de aprovação. As empresas são vistas como preparadas para a retomada por 42%. 

A falta de confiança nos executivos se soma ao medo do desemprego. Mais da metade dos entrevistados (56%) tem grande preocupação em perder o trabalho e não conseguir se reposicionar por um longo período, após a pandemia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também