Como prevenir uma crise de alimentos decorrente da covid-19

A pandemia de coronavírus está ampliando o risco de um aumento no preço dos alimentos em todo o mundo

Saint Petersburg/ Singapura – Mesmo antes da pandemia, havia sinais de que os preços globais dos alimentos poderiam subir em breve. Drásticos eventos naturais induzidos pelas alterações climáticas se tornaram mais comuns. A peste suína africana acabou  com mais que a quarta parte da população suína do mundo no ano passado, fazendo com que os preços dos alimentos em 2020 na China aumentassem de 15 a 22% em relação ao ano anterior. E, mais recentemente, a pior praga de gafanhotos em 70 anos destruiu culturas na África Oriental. No Quênia, o preço do milho, alimento básico, aumentou mais de 60% desde 2019.

A covid-19 está ampliando o risco de um aumento no preço dos alimentos em todo o mundo, o que provocaria sérias crises em muitos países em desenvolvimento. Nos mais pobres, os alimentos representam 40-60% da cesta de consumo, cerca de 5-6 vezes mais que nas economias avançadas.

Embora os bloqueios tenham levado a um colapso na demanda por bens duráveis ​​e serviços discricionários, o oposto é verdadeiro para os alimentos. Nas cidades do mundo todo, os relatos de compras por pânico e acumulação de alimentos proliferaram desde o início da pandemia.

Do lado da oferta, os estoques globais de grãos parecem estar bem, mas podem ser rapidamente esgotados, pois o vírus interrompe a produção e distribuição de alimentos. E a escassez de ração animal, fertilizantes e pesticidas aumentou os custos da agricultura e o risco de colheitas ruins.

Além disso, desde a colheita de frutas e legumes na Índia até a operação de frigoríficos nos Estados Unidos, a escassez de mão-de-obra está se tornando cada vez mais aparente, à medida que as restrições de viagens para fora dos próprios países em grande parte do mundo interrompem o ciclo sazonal normal dos trabalhadores agrícolas migrantes. E a escassez de transporte está tornando ainda mais desafiador o lançamento de produtos no mercado – quando acontece algum.

Agricultores precisam reconfigurar suas cadeias de suprimentos de atacado para granel para restaurantes, hotéis e escolas (atualmente fechados), para atender a supermercados e entrega em domicílio. Mas isso leva tempo, até porque os produtos alimentícios comerciais e de consumo são preparados e embalados de maneira diferente. Enquanto isso, os produtos frescos precisaram ser destruídos.

Além disso, alguns dos principais países produtores de alimentos já impuseram proibições ou cotas de exportação por causa da pandemia, como a Rússia e o Cazaquistão fizeram com grãos e a Índia e o Vietnã com arroz. Ao mesmo tempo, outros países estão estocando alimentos por meio de importações aceleradas, como é o caso das Filipinas (arroz) e do Egito (trigo).

Esse protecionismo alimentar pode parecer uma boa maneira de oferecer ajuda aos segmentos mais vulneráveis ​​da população, mas intervenções simultâneas de muitos governos podem resultar em um aumento global nos preços dos alimentos, como aconteceu em 2010-11. O Banco Mundial estima que o protecionismo tenha sido responsável por cerca de 40% do aumento do preço global do trigo e 25% do aumento dos preços do milho naquela ocasião.

Pode-se entender o nervosismo desses países. Embora a pandemia do COVID-19 tenha levado a um crescimento mais baixo, aumento do desemprego, maiores déficits fiscais e aumento da dívida em economias avançadas e emergentes, o surgimento de novos focos de infecção nos países em desenvolvimento significará uma escolha ainda mais difícil entre salvar vidas e proteger os meios de subsistência. Além disso, os países em desenvolvimento já estão enfrentando uma súbita parada nos influxos de capitais e remessas e um colapso no turismo, enquanto prazos para operações comerciais e câmbio dos muitos exportadores de petróleo e commodities primárias estão em colapso. Mesmo antes do COVID-19, muitos países de baixa renda estavam em sério risco de super endividamento. E muitas dessas economias também são altamente vulneráveis ​​a um aumento nos preços dos alimentos.

O Índice Nomura de Vulnerabilidade dos Alimentos classifica 110 países com base em sua exposição a grandes oscilações dos preços dos alimentos, levando em consideração seu PIB per capita nominal, a participação dos alimentos no consumo das famílias e as importações líquidas de alimentos. A leitura mais recente mostra que dos 50 países mais vulneráveis ​​a um aumento sustentado nos preços dos alimentos, quase todos são países em desenvolvimento, representando quase três quintos da população mundial.

De fato, o aumento nos preços dos alimentos seria um problema global, porque eles são altamente regressivos em todos os lugares. Mesmo nas economias desenvolvidas, um aumento nos preços dos alimentos geraria uma barreira maior entre ricos e pobres, exacerbando a já acentuada desigualdade de riqueza. Ninguém deveria ignorar a milenar conexão entre crises alimentares e agitação social.Parte superior do formulário

Instituições multilaterais se mobilizaram rapidamente durante a crise para fornecer empréstimos de emergência a um número recorde de países em desenvolvimento, enquanto os credores do G20 concordaram em suspender temporariamente os pagamentos do serviço da dívida dos países pobres que solicitam mais tolerância. Porém, como os riscos decorrentes do aumento dos preços dos alimentos não se aplicam apenas às economias mais vulneráveis, a suspensão temporária da dívida também pode ser estendida a outros países.

Com a pandemia ameaçando causar ainda mais estragos econômicos, os governos devem trabalhar juntos para enfrentar o risco de interrupções nas cadeias de suprimento de alimentos. De maneira mais ampla, um pouco de coordenação política global é essencial para impedir que o protecionismo alimentar se torne o novo normal pós-pandemia.

Carmen M. Reinhart é professora do Sistema Financeiro Internacional da Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard.

Rob Subbaraman é Economista-Chefe e Chefe de Pesquisa de Mercados Globais para a Ásia, exceto Japão, no Grupo Nomura.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.