Com volta da CPMF, o IOF pode ter alíquota reduzida

Imposto sobre Operações Financeiras incide sobre empréstimos, compras no exterior, câmbio e outras transações

Brasília - O retorno da cobrança da CPMF será acompanhado por uma redução proporcional na alíquota de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que incide sobre empréstimos, compras no exterior, câmbio e outras transações.

Para não arriscar perder arrecadação, porém, o governo só reduzirá o IOF após a aprovação e entrada em vigor da CPMF e de acordo com o porcentual da contribuição aprovado, de acordo com fontes da equipe econômica ouvidas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Se a alíquota da contribuição de 0,2% proposta pela equipe econômica for aprovada, a redução do IOF será de 0,2 ponto porcentual.

Qualquer mudança feita na alíquota do "imposto do cheque" durante a tramitação no Congresso Nacional - para incluir, por exemplo, uma repartição com Estados e municípios - será considerada na alteração do IOF.

Nesta terça-feira, 15, o coordenador de Tributação da Receita Federal, Fernando Mombelli, disse que a redução na alíquota do imposto ainda está em estudo.

"O ministro (da Fazenda) Joaquim Levy vai decidir sobre o valor da alíquota do IOF a ser reduzida", afirmou.

O imposto, no entanto, atinge um pequeno universo das operações que pagarão CPMF.

No início de 2008, para compensar a perda de arrecadação com a extinção da contribuição no ano anterior, o governo aumentou em 0,38 ponto porcentual as alíquotas de IOF. Agora promete fazer o movimento contrário.

Até o final de setembro, o Executivo deverá enviar ao Congresso Nacional a proposta de emenda constitucional recriando a CPMF por um período de quatro anos, além de outras medidas provisórias e projetos de lei que compõem o pacote de aumento de impostos anunciado na segunda-feira.

O governo já espera alterações na proposta durante a tramitação no Legislativo. De acordo com Mombelli, porém, o governo entendeu que a alíquota de 0,20% é o "limite para a CPMF".

Juros

Mudanças na tributação do pagamento de juros de capital próprio (JCP) pelas empresas também ajudarão a aumentar a arrecadação.

O governo quer aumentar a alíquota de Imposto de Renda paga na fonte pela pessoa física ou jurídica que recebe os recursos, de 15% para 18%.

Para que o aumento entre em vigor, porém, o Congresso Nacional tem de aprovar a MP até o fim do ano, já que alterações referentes ao Imposto de Renda só são válidas no ano seguinte à sanção da lei.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também