Com atual ritmo da Selic, atingimos a inflação em 2022, diz Campos Neto

Campos Neto reiterou em diversos momentos que a taxa básica de juros ficará no nível que for necessário para o BC entregar a inflação na meta
Campos Neto: "Achamos que temos que atingir as metas de inflação e temos dito que a taxa terminal importa mais que o ritmo (de alta)" (Alan Santos/PR/Flickr)
Campos Neto: "Achamos que temos que atingir as metas de inflação e temos dito que a taxa terminal importa mais que o ritmo (de alta)" (Alan Santos/PR/Flickr)
Por ReutersPublicado em 01/10/2021 13:52 | Última atualização em 01/10/2021 13:52Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta sexta-feira que o BC está "muito comprometido" em levar a inflação para meta em 2022 e frisou que, com o ritmo de aperto de 1 ponto percentual na taxa básica de juros, a avaliação é que o BC é capaz de cumprir a missão.

Ao participar de webinar promovido pelo Morgan Stanley, Campos Neto reiterou em diversos momentos que a taxa básica de juros ficará no nível que for necessário para o BC entregar a inflação na meta.

"Achamos que temos que atingir as metas de inflação e temos dito que a taxa terminal importa mais que o ritmo (de alta). E a taxa terminal será a que tiver que ser para nós atingirmos a meta", afirmou ele, em inglês.

"Estamos muito comprometidos com (a meta de) 2022. Em nosso modelo, em nosso processo, em nossa visão de pensar e em nossa discussão acerca da tomada de decisão, achamos que, com o ritmo que temos agora e com o instrumento que temos agora, nós somos capazes de atingir a meta. É isso que temos tentado comunicar", complementou.

O BC elevou a Selic em 1 ponto percentual na semana passada, a 6,25%, e indicou que deverá repetir a dose ao fim da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), prevista para os dias 26 e 27 deste mês.

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME