Chile anuncia ajuda de US$ 1,5 bilhão para a classe média

A pandemia do novo coronavírus impactou amplamente a classe média e, até agora, não havia um plano de ajuda direcionado para esse setor da sociedade
Chile: O pacote prevê empréstimos de até US $ 3.200, dividido em quatro parcelas, com uma taxa de juros igual a zero (afp/AFP)
Chile: O pacote prevê empréstimos de até US $ 3.200, dividido em quatro parcelas, com uma taxa de juros igual a zero (afp/AFP)
A
AFPPublicado em 05/07/2020 às 16:38.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou neste domingo, 05, um pacote de ajuda no valor de 1,5 bilhão de dólares para a classe média, fortemente afetada pela crise econômica decorrente da pandemia

As medidas, destinadas a cerca de 1.000 famílias, concentram-se quase que exclusivamente na oferta e ampliação de créditos em condições preferenciais garantidas pelo Estado. A ajuda ainda precisa ser aprovada pelo Congresso.

O pacote prevê empréstimos de até US $ 3.200, dividido em quatro parcelas, com uma taxa de juros igual a zero e um prazo de pagamento de quatro anos, além do adiamento da quitação de dividendos com garantia estatal.

Também determina a ampliação de um subsídio para pagamento de aluguel e crédito para pagamento do ensino superior.

Até agora, estas famílias foram excluídas dos auxílios estatais para enfrentar a crise do coronavírus, que infectou 295.532 pessoas e matou 6.308 pessoas confirmadas além dos 9.000 óbitos prováveis, segundo o último relatório oficial.

A Renda Familiar de Emergência criada para a crise é destinada a famílias com renda de até 400.000 pesos (US$ 490), que representam 34% das famílias chilenas, deixando de fora toda a classe média, equivalente a quase metade da população de 18 milhões de habitantes.

Após um acordo político, o Chile concordou em desembolsar até 12 bilhões de dólares - metade das economias que mantém no exterior — para enfrentar a crise econômica decorrente da pandemia.