A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

BB não precisará de capitalização, diz executivo

"O aumento de capital que nós fizemos no Banco do Brasil em outubro de 2010, de R$ 7 bilhões, foi suficiente e não há necessidade de uma nova operação"

O Banco do Brasil e o Votorantim não vão precisar ser capitalizados mesmo com as novas regras de capital para os bancos, o chamado Basileia 3.

"O aumento de capital que nós fizemos no Banco do Brasil em outubro de 2010, de R$ 7 bilhões, foi suficiente e não há necessidade de uma nova operação", disse o vice-presidente de gestão financeira e de relações com investidores do BB, Ivan Monteiro. "Desde então, estamos sempre trabalhando com instrumentos de nível 1 e 2.

O mais recente foi o de nível 2 que fizemos este ano e o IHCD (Instrumento Híbrido de Capital e Dívida) anunciado recentemente", disse ele, em conversa com jornalistas, lembrando que "não há necessidade de aumento de capital via emissão de ações".

Em setembro, o BB assinou contrato com a União que concedeu crédito na forma de títulos da Dívida Pública Mobiliária Federal no valor de R$ 8,1 bilhões. O montante, elegível como capital de nível I e II, já impactou de maneira positiva no índice de Basileia do banco.

O indicador fechou setembro em 15,5% contra 14,2% em junho e 13,9% no mesmo mês do ano passado. O mínimo exigido pelo Banco Central é de 11%. No caso do Votorantim, segundo Monteiro, também não há necessidade de uma nova capitalização para adequar o banco às novas regras de capital para os bancos.

Em junho último, o BB e a Votorantim Finanças deliberaram pelo aumento do capital social do BV no montante de R$ 2 bilhões, sendo cada um responsável por um aporte de R$ 1 bilhão. Apesar disso, o Votorantim encerrou setembro com índice de Basileia de 15,2%, abaixo dos 15,5% vistos em junho. No terceiro trimestre do ano passado o indicador ficou em 12,7%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também