Economia

Ata do Copom nesta terça pode apontar corte de juros em agosto ou setembro

Documento divulgado pelo Banco Central pode esclarecer as dúvidas do mercado. Alguns analistas interpretam que a porta foi apenas destrancada e outros avaliam que a porta está aberta para a queda de juros

Mercado terá mais clareza sobre decisão do BC após o CMN debater metas de inflação na quinta-feira, 29 (Marcelo Casal/Agência Brasil)

Mercado terá mais clareza sobre decisão do BC após o CMN debater metas de inflação na quinta-feira, 29 (Marcelo Casal/Agência Brasil)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 26 de junho de 2023 às 17h28.

Última atualização em 26 de junho de 2023 às 17h33.

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que será divulgada às 8h desta terça-feira, 27, é a oportunidade que o Banco Central (BC) terá de explicar ao mercado se começará a cortar a Selic em agosto ou setembro.

A autoridade monetária manteve os juros inalterados em 13,75% ao ano na última quarta-feira, 21, e sinalizou no comunicado que pode iniciar o processo de cortes nas próximas reuniões do colegiado. Entretanto, o tom adotado no documento oficial fez o mercado divergir se o movimento começaria no próximo encontro ou no seguinte.

Na prática, alguns analistas interpretam que a porta foi apenas destrancada e outros avaliam que a porta está aberta para a queda de juros. A divulgação da ata pode trazer mais clareza para o mercado sobre quando o BC começará a reduzir a Selic.

A mensagem que o BC divulgará poderá acalmar os ânimos, reduzir a curva de juros futuros ou dar ainda mais munição para que o governo critique os membros do Copom. A ata do Copom é importante porque sinalizará com mais clareza os próximos passos do colegiado.

Ata é importante para decisões de investimento

O documento é usado por investidores para decisões de investimento já que com os juros altos é melhor manter o dinheiro aplicado em títulos públicos ou outros papéis de renda fixa do que aportar recursos na economia real ou em investimentos de renda variável. Na prática, todos ficam paralisados à espera de uma sinalização mais clara.

Com isso, Copom terá mais elementos para decidir a política monetária após a reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), marcada para quinta-feira, 29. Na ocasião será definida a meta de inflação para 2026 e os objetivos de 2024 e 2025 podem ser revisados.

Para os dois próximos anos, a meta a ser perseguida é de 3,00%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O que deve ser debatido é um horizonte mais flexível de cumprimento do objetivo, atualmente em 12 meses e que passaria para 24 meses. Com tempo maior, o BC poderia flexibilizar a dose do remédio amargo para controlar a inflação.

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralCopomSelic

Mais de Economia

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Mais na Exame