Alimentos e presentes de Natal ficaram abaixo da inflação, diz FGV

Preço dos itens usados nas festas de fim de ano subiram 4,65% em 2011, mostrou o estudo

Rio de Janeiro - Os gastos para as comemorações do Natal, divididos entre alimentos e presentes, subiram menos do que a inflação acumulada em 12 meses, encerrados em novembro passado. É o que mostra pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV).

De acordo com o estudo, os itens considerados essenciais para a ceia de Natal subiram em média 4,65%, ficando abaixo, portanto, da inflação de 6,29%, apurada pela FGV para o período de dezembro de 2010 a novembro de 2011. Em relação aos presentes, o aumento foi 5,50%.

Na média, alimentação e presentes em geral subiram 5,03%. De acordo com análise do economista do Ibre/FGV, André Braz, a percepção é que, em média, a diferença de preço do ano passado não é tão grande. “Que, em termos reais, esses produtos não ficaram mais caros, porque perderam da inflação acumulada no mesmo período”.

André Braz advertiu, porém, que os preços “ficaram abaixo (da inflação), mas isso não quer dizer que não existam vilões”. No item da alimentação, um dos maiores aumentos foi no bacalhau, que aumentou 10,34%. Refrigerantes e cervejas também apresentaram majorações significativas de preços (10,82% e 14,16%, respectivamente). Em contrapartida, mostraram deflação o azeite de oliva (-9,08%), frango especial inteiro (-2,44%) e vinho (-1,17%).

No caso dos presentes em geral, os itens que subiram mais foram roupas infantis (12,31%), masculinas (8,64%) e femininas (7,71%). André Braz disse que os consumidores devem ficar atentos aos gastos, mesmo com as reduções de preços apresentadas em itens como celulares (-10,12%), aparelho de videogame (-9,66%) e televisores (-6,64%).

“Apesar de os eletroeletrônicos aparecerem na nossa lista de presentes como os mocinhos, aqueles itens que perderam para a inflação e até caíram de preço nos últimos 12 meses, é bom lembrar ao consumidor que só se deve investir nesses bens caso a pessoa tenha feito um preparo. Porque o computador, o celular, e mesmo a televisão de alta tecnologia, são itens caros”.

Braz esclareceu que a pesquisa não objetiva estimular o consumo de itens caros para os quais as pessoas não se prepararam para comprar. “Ela só mostra o que ficou um pouco mais caro ou mais barato em relação ao ano passado”.

Segundo o economista, mesmo as roupas, que subiram mais do que no Natal de 2010, continuam sendo uma boa opção de presente. “Porque ainda que elas tenham vencido a inflação média e ficaram mais caras em relação a 2010, os preços de uma peça de roupa é bem inferior ao de um computador ou uma televisão. Para quem não se preparou, mesmo que as roupas tenham ficado mais caras, vale a pena procurar esse tipo de artigo”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.