Inflação leva Argentina a repetir medidas que já fracassaram

O governo do país decidiu vetar exportações de carne bovina para segurar a alta de preços, restrição semelhante às adotadas por uma década até 2015

Se intervenções anteriores servirem de guia, o novo veto às exportações de carne bovina da Argentina não conseguirá segurar a inflação.

Os preços da carne vermelha mostram alta de 65% na taxa anual e superam de longe a inflação de 46%, o que levou o presidente da Argentina, Alberto Fernández, a suspender os embarques de carne bovina do quinto maior exportador do mundo por 30 dias.

Embora a medida possa colher benefícios políticos rápidos, as consequências de longo prazo para o setor de carne bovina são bem conhecidas na Argentina, que implementou restrições semelhantes por uma década até 2015: pecuaristas saem do negócio, a produção cai e a pressão sobre os preços é retomada.

Disputas de carne. Controles de exportação a partir de 2006 seguraram os preços apenas no curto prazo

Disputas de carne. Controles de exportação a partir de 2006 seguraram os preços apenas no curto prazo (Ipcva, Indec/Bloomberg)

“Não está nem claro para mim se isso terá impacto genuíno no controle da inflação dos alimentos”, disse María Castiglioni, diretora da consultoria C&T Asesores, em Buenos Aires. “Para perder participação de mercado quando leva tanto tempo para abrir novos mercados de exportação e começar a perder empregos em um setor que está funcionando bem, essa medida é realmente inexplicável.”

Fernández sentiu o impacto da proibição das exportações em primeira mão em 2006, quando atuou como chefe de gabinete do presidente Néstor Kirchner, o falecido marido da atual vice-presidente, Cristina Fernández de Kirchner, que também governou o país de 2007 a 2015. Assim como agora, a ideia na época era oferecer mais carne bovina no mercado local e esfriar os preços internos.

Mas o tiro saiu pela culatra. Quando os pecuaristas deram as costas ao setor após a proibição, a Argentina perdeu quase 20% de seu rebanho bovino em 2011. Os preços do gado aumentaram com mais frequência nos anos seguintes, incluindo o aumento anual de 126% no fim de 2010, e o país foi ultrapassado pelo Uruguai e Paraguai no mercado internacional.

Até o momento, o decreto oficial que implementaria a nova proibição não foi publicado. Ainda assim, o anúncio atraiu a ira do setor: câmaras de comércio suspenderam as vendas de carne bovina por vários dias e pecuaristas convocam protestos.

Como a antiga proibição, pecuaristas e associações temem que este veto possa durar muito mais do que o originalmente anunciado.

“Em 2006, a proibição era para ser por 180 dias e acabou durando 10 anos”, disse Miguel Schiariti, presidente da Câmara da Indústria e Comércio de Carnes e Derivados (CICCRA), referindo-se aos rígidos controles de exportação desde então. “Eles estão culpando o setor pelos preços, mas a inflação é culpa do governo por causa do déficit fiscal e da impressão de dinheiro.”

Manual antigo

Fernández argumentou que foi obrigado a tomar essas medidas porque as cotações globais das commodities dispararam nos últimos meses, fazendo com que os preços da carne bovina na Argentina “saíssem do controle”.

A demanda internacional “criou distorções nos preços domésticos que não podem mais ser tolerados”, disse Fernández a uma estação de rádio na terça-feira. “Não podemos continuar observando os preços da carne bovina subir mês a mês sem qualquer justificativa.”

O podcast EXAME Política vai ao ar todas as terças-feiras com os principais temas da eleição americana. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.