Ciência

'Ozempic em cápsula': Pfizer testa pílula diária de emagrecimento

Novo medicamento visa entrar em mercado de R$ 550 bilhões anuais

Pfizer quer dominar o mercado de remédios para emagrecimento. (Dado Ruvic/Reuters)

Pfizer quer dominar o mercado de remédios para emagrecimento. (Dado Ruvic/Reuters)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 11 de julho de 2024 às 13h31.

A Pfizer anunciou planos para avançar com uma pílula diária para perda de peso, que entrará em testes de fase 2 no segundo semestre deste ano. A empresa busca capturar uma fatia de um mercado estimado em mais de US$ 100 bilhões (R$ 550 bilhões) anuais. As informações são do Financial Times e da Reuters.

O composto da nova pílula, danuglipron, é similar aos utilizados nas injeções Wegovy e Zepbound, fabricadas pela Novo Nordisk e Eli Lilly, que já estão em fase 3 de testes. A Pfizer abandonou uma versão anterior do medicamento, lotiglipron, devido a preocupações com elevações nos níveis de enzimas hepáticas em alguns pacientes.

Especialistas projetam que o mercado de medicamentos para emagrecimento, atualmente dominado por Wegovy e Zepbound, pode atingir US$ 150 bilhões (R$ 808 bilhões) até o início dos anos 2030. A Pfizer afirmou que os estudos iniciais indicam que a nova fórmula não causa elevações nas enzimas hepáticas em mais de 1.400 voluntários adultos saudáveis.

As ações da Pfizer tiveram alta de 3,7%, fechando a R$ 158,71 (US$ 29,30) no pregão pré-mercado. Na quarta-feira, as ações encerraram a R$ 153,57 (US$ 28,35), uma queda significativa desde o pico de R$ 330,42 (US$ 61) em dezembro de 2021, devido à queda nas vendas de produtos para COVID e preocupações com o pipeline da empresa.

Solução conveniente

Além disso, a Pfizer anunciou a saída de Mikael Dolsten, diretor científico da empresa, após mais de 15 anos. As vendas de vacinas e pílulas contra COVID-19 caíram drasticamente, aumentando a pressão sobre o CEO Albert Bourla para buscar crescimento através de novos medicamentos.

A Pfizer está confiante de que a danuglipron oferecerá uma solução mais conveniente para pacientes que buscam perder peso, eliminando a necessidade de injeções frequentes. A empresa espera que essa inovação fortaleça sua posição no mercado de emagrecimento e impulsione suas receitas nos próximos anos.

Com a demanda por tratamentos eficazes de perda de peso em alta, a Pfizer acredita que a nova pílula diária pode se tornar um produto-chave, ajudando a diversificar seu portfólio e a reduzir a dependência de produtos para COVID.

Acompanhe tudo sobre:RemédiosPfizerCoronavírus

Mais de Ciência

Dia do Amigo: relação é fundamental para a saúde mental, diz psicóloga

Álcool: quanto você pode beber e ainda assim ficar saudável?

Caverna na Lua poderia abrigar humanos; entenda

Crise climática pode impactar vida sexual dos insetos, diz estudo

Mais na Exame