O que é IFA, insumo de que o Brasil precisa para produzir vacinas contra covid-19

Produto é necessário para acelerar fabricação de vacinas no país e expandir imunização

Com o número de vacinas disponíveis no Brasil ainda limitado, o país foca agora em trazer doses de fora ou mesmo insumos que permitam fabricar o imunizante nos laboratórios locais.

O principal componenente para a fabricação é o chamado IFA, sigla para Ingrediente Farmacêutico Ativo. Trata-se do componente da vacina que permite que o corpo desenvolva uma memória imunológica e combata o coronavírus.

Cada uma das vacinas tem um ingrediente ativo diferente, ainda que tenham os mesmos métodos de fabricação. Por exemplo, Pfizer e Moderna, que fabricam vacinas de RNA mensageiro, têm diferenças em suas fórmulas. A Coronavac, que está sendo aplicada no Brasil, utiliza a técnica de vírus inativado.

O problema enfrentado atualmente é que o IFA não é atualmente produzido no Brasil e as primeiras doses foram feitas na China. No caso da vacina do laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, as primeiras 2 milhões de doses seriam importadas da Índia, mas ainda não há previsão de quando essas doses chegarão ao Brasil.

O plano de imunização no país começou com apenas seis milhões de doses da Coronavac, importadas da China. O volume disponível não é suficiente nem mesmo para vacinar os profissionais de saúde, que somam cinco milhões de pessoas no Brasil. As vacinas aprovadas precisam de duas doses para aplicação.

O Instituto Butantan tem 4,8 milhões de doses em fase final de produção, mas aguarda nova autorização da Anvisa para uso emergencial. O pedido foi feito esta semana. O órgão não recebeu novas remessas do Insumo Farmacêutico Ativo, o princípio ativo da vacina, importado da China.

É esperado que Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) receba também IFA da AstraZeneca para que possa iniciar sua produção local de vacinas, que ainda não começou.

O produto é feito em laboratórios da AstraZeneca também na China e a Fiocruz informou que a chegada dos insumos em janeiro ainda está dentro do calendário contratual. A Fiocruz planeja iniciar a produção local do IFA em abril, o que deve impulsionar a produção.

Atualmente, questões diplomáticas travam o envio da IFA para que o Brasil possa acelerar a produção. O Itamaraty está em conversas com a China, onde estão os insumos. O chanceler Ernesto Araújo nega problemas diplomáticos, porém, e afirma que há elevada demanda pelos produtos.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.