A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Cientistas criam dispositivo que reduz dor do membro fantasma

A dor do membro fantasma é uma síndrome sofrida por pessoas que perderam uma extremidade e que continuam tendo sensações do membro e dor

Tóquio - Pesquisadores japoneses desenvolveram um dispositivo capaz de reduzir a dor dos pacientes com extremidades amputadas ou paralisadas que sofrem a chamada síndrome do membro fantasma, segundo confirmaram os cientistas nesta segunda-feira à Agência Efe.

O dispositivo torna possível "modular as atividades cerebrais relacionadas com os movimentos dos membros fantasmas, que eram difíceis de alterar pelo tratamento existente", explicou à Efe o líder do projeto, o professor adjunto da Universidade de Osaka Takufumi Yanagisawa.

Melhorar este novo aparelho "fará com que a dor do membro fantasma seja tratável no futuro", relatou Yanagisawa.

A dor do membro fantasma é uma síndrome sofrida por algumas pessoas que perderam uma extremidade (por amputação ou paralisia) e que continuam experimentando as sensações do membro e dor, que geralmente não pode ser atenuada com analgésicos convencionais.

"Uma teoria popular, mas cada vez mais controvertida, diz que (a dor) resulta da não adaptação à reorganização do córtex sensoriomotor, o que sugere que a indução experimental de mais reorganização deveria afetar a dor, especialmente se resulta em restauração funcional", diz o estudo, publicado na revista "Nature Communications".

As descobertas da pesquisa, realizada por cientistas do Instituto Internacional Japonês de Pesquisa de Telecomunicações Avançadas e da Universidade de Cambridge, "se opuseram à hipótese primária", explicou Yanagisawa, já que a restauração funcional não melhorou, mas intensificou a dor.

A equipe desenvolveu um programa de treinamento para movimentar uma mão artificial com uma interface cérebro-máquina, que foi testada em dez pacientes que tinham perdido o antebraço direito, e comprovou que foi a dissociação entre a mão protética e a fantasma o que reduziu a dor.

Isto evidencia "uma relevância funcional entre a plasticidade cerebral (faculdade do cérebro para se recuperar e se reestruturar) e a dor", o que poderia abrir o caminho para um tratamento.

A equipe está trabalhando na aplicação clínica desta descoberta para daqui alguns anos, e esse método também poderia ser utilizado para outras dolências psiquiátricas e motrizes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também