Aquecimento global, mesmo que modesto, ameaça florestas do Hemisfério Norte

O aquecimento, sozinho ou combinado com menos chuva, aumentou a mortalidade de árvores jovens entre as nove variedades estudadas
As florestas boreais, que cobrem grandes áreas da Rússia, Alasca e Canadá, são importantes sumidouros de carbono (AFP/AFP Photo)
As florestas boreais, que cobrem grandes áreas da Rússia, Alasca e Canadá, são importantes sumidouros de carbono (AFP/AFP Photo)
A
AFP

Publicado em 11/08/2022 às 13:28.

Última atualização em 11/08/2022 às 13:48.

Uma mudança, mesmo que moderada, na temperatura e precipitação pode prejudicar as florestas do Hemisfério Norte, a rica biodiversidade que abrigam e sua capacidade de armazenar carbono, de acordo com um estudo publicado na revista Nature.

As florestas boreais, que cobrem grandes áreas da Rússia, Alasca e Canadá, são importantes sumidouros de carbono, mas estão ameaçadas por incêndios cada vez mais frequentes e espécies invasoras favorecidas pelo aquecimento global.

Para descobrir como temperaturas mais altas e menos chuva podem afetar as espécies mais comuns nessas florestas, os pesquisadores realizaram um experimento de cinco anos, cujos resultados foram publicados na revista científica Nature na quarta-feira.

De 2012 a 2016, eles cultivaram 4,6 mil espécimes de nove espécies de árvores, incluindo abetos e pinheiros, no nordeste de Minnesota, nos Estados Unidos.

Usando cabos subterrâneos e lâmpadas infravermelhas, esses brotos jovens foram aquecidos a duas temperaturas diferentes, 1,6 °C acima da temperatura ambiente e 3,1 °C acima.

Lonas foram posicionadas em metade dos locais para reter a água da chuva e imitar as mudanças na precipitação que as mudanças climáticas devem causar.

Mesmo a 1,6 °C, o crescimento das árvores foi prejudicado pelo aumento da mortalidade e redução do desenvolvimento.

O aquecimento, sozinho ou combinado com menos chuva, aumentou a mortalidade de árvores jovens entre as nove variedades estudadas.

O Acordo de Paris de 2015 planeja limitar o aquecimento global a bem menos de 2 °C em comparação com o período pré-industrial, ou mesmo 1,5 °C, mas os compromissos atuais dos governos levam a um aquecimento de 2,7 °C ao longo do século.

Estudos anteriores mostraram que as mudanças climáticas podem ter efeitos positivos e negativos nas florestas boreais, como uma estação de crescimento mais longa no extremo norte.

O crescimento de bordos e carvalhos, raros hoje em florestas boreais, foi assim acelerado a 1,6 °C, enquanto as coníferas se saíram menos bem.

O aumento dos níveis de CO2 na atmosfera pode ter "efeitos positivos modestos" em algumas espécies, disse à AFP o principal autor do estudo, Peter Reich, mas as plantas podem ficar saturadas com CO2 e mais incêndios estão levando a sua liberação na atmosfera, alertou.

Veja também: 

França recebe ajuda europeia para enfrentar incêndios florestais

Alemanha está confiante em superar crise energética