Acompanhe:

1º caso de reinfecção por nova variante do coronavírus é detectado no Brasil

Pesquisa realizada pelo Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa (IDOR) identificou caso de reinfecção em paciente na Bahia

Modo escuro

Continua após a publicidade
O fator que pode reduzir a gravidade de quadros de covid-19 (Kiyoshi Hijiki/Getty Images)

O fator que pode reduzir a gravidade de quadros de covid-19 (Kiyoshi Hijiki/Getty Images)

T
Tamires Vitorio

Publicado em 8 de janeiro de 2021 às, 10h23.

Última atualização em 12 de janeiro de 2021 às, 09h14.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) em parceria com o Hospital São Rafael, em Salvador, identificou o primeiro caso de reinfecção pelo coronavírus por conta da nova variante encontrada na África do Sul, a E484K.

A pandemia mexeu com a economia e os negócios no mundo todo. Venha aprender com quem conhece na EXAME Research

A paciente de 45 anos teve o primeiro caso de covid-19 confirmado em 20 de maio de 2020, e o segundo no dia 26 de outubro – na reinfecção, segundo o IDOR, os sintomas foram mais severos. Ela não possuía nenhuma comorbidade e os dois diagnósticos foram realizados com o teste RT-PCR.

Depois do primeiro caso, a paciente fez um teste de IGg no qual foi apontado a presença de anticorpos da doença. Para entender se o segundo caso se tratava realmente de uma reinfecção, os pesquisadores compararam as sequências genéticas do vírus e descobriram que as duas infecções foram causadas por linhagens diferentes.

Em nota enviada à imprensa, o IDOR afirmou que a descoberta "serve de alerta e reforça a necessidade de manutenção de controle da pandemia, com distanciamento social e a necessidade de acelerar o processo de vacinação". "Trata-se do primeiro caso de reinfecção por SARS-CoV-2 no estado da Bahia, confirmado por sequenciamento. Foi observada na sequência genética do vírus presente no segundo episódio a mutação E484K, que é uma mutação identificada originalmente na África do Sul", disse o pesquisador do IDOR Bruno Solano.

Para Solano, a vacinação no país tem um papel crucial na redução da circulação desta e de outras possíveis linhagens que podem se tornar cada vez mais infecciosas, até mesmo para quem já teve a doença. "A mutação em causado muita preocupação no meio médico, pois ela pode dificultar a ação de anticorpos contra o vírus. Esta variante foi recentemente identificada no Rio de Janeiro, mas é a primeira vez, em todo o mundo, em que é associada a uma reinfecção por SARS-CoV-2."

O estudo, ainda preliminar, deve ser revisado por pares em breve e será publicado na revista científica The Lancet. O IDOR continua a monitorar os casos de coronavírus no Brasil para investigar se outras reinfecções por novas variantes aconteceram.

E as vacinas?

As mutações do coronavírus, embora comuns, têm causado preocupações no mundo todo. A primeira delas, a B.1.1.7 encontrada no Reino Unido, é mais contagiosa, mas, segundo evidências científicas, não deve alterar a eficácia das vacinas que já foram aprovadas.

Em dezembro do ano passado, especialistas americanos e britânicos afirmaram que algumas das vacinas já aprovadas para uso contra a covid-19 continuarão a funcionar mesmo com as mudanças. É o caso das vacinas da americana Pfizer em parceria com a alemã BioNTech, da Moderna e da AstraZeneca – em todos esses casos, o imunizante deve atacar a espícula do vírus, independentemente de suas mutações.

Em entrevista à emissora americana CNBC, Vin Gupta, professor da Universidade de Washington, afirmou "estar confiante que as vacinas protegerão contra diferentes cepas da covid". "Existe uma crença muito forte de que a vacina, como existe hoje, terá eficácia para prevenir infecções dessa nova variação na Inglaterra, assim como protege contra a cepa antiga que estamos tentando conter por meses", afirmou Gupta. Segundo Gupta, isso acontece porque a variante tem cepas muito parecidas com as "originais" da covid-19.

Todos os vírus existentes no mundo passam por mutações – até mesmo a gripe. Isso acontece porque, uma vez no organismo humano, o vírus tende a procurar formas de evoluir geneticamente, tornando-se mais resistentes ao uso de medicamentos, por exemplo.

"A eficácia dessas vacinas na produção de anticorpos que podem atacar e matar a covid-19 é extraordinária. Eu não espero que essas mudanças pequenas no nível genético afete a performance da imunização a curto prazo", disse Gupta.

Mais cedo nesta sexta-feira, a farmacêutica americana Pfizer divulgou um estudo no qual afirmava que a vacina desenvolvida pela companhia era eficaz mesmo em casos de mutação do coronavírus. "Já testamos 16 mutações diferentes e nenhuma delas teve um impacto significante [na vacina]. Isso é uma boa notícia. Mas não significa que a 17ª não possa ter", afirmou Phil Dormitzer, cientista viral da Pfizer, em entrevista à agência de notícias Reuters.

A E484K, no entanto, parece não se comportar da mesma forma. A mutação ocorre na proteína da espícula do coronavírus e, nesse caso, os anticorpos não reconhecem a variante, que já se espalhou para outros países, como os Estados Unidos, o Japão e, agora, o Brasil.

Em novembro de 2020, um estudo publicado na revista científica Nature apontou que é preciso tomar cuidado mesmo quando uma vacina for aprovada para uso.

Isso porque, com a imunização, o vírus tende a evoluir e mudar cada vez mais até ser capaz de escapar o sistema de reconhecimento do sistema imunológico humano --- o que pode levar para uma situação emergencial de vírus mutante.

Mas não há motivo para pânico, segundo eles, uma vez que o modelo computacional gerado para prever se as infecções aumentaram também pode ser usado para prever se uma futura mutação irá escapar das vacinas --- e, assim, atualizá-las conforme necessário. Um processo mais fácil com vacinas existentes e muito melhor do que criar algo do zero.

As fases para a aprovação de uma vacina

Para uma vacina ser aprovada, ela precisa passar por diversas fases de testes clínicos prévios e em humanos. Primeiro, ela passa por fases pré-clínicos, que incluem testes em animais como ratos ou macacos para identificar se a proteção produz resposta imunológica.

A fase 1 é a inicial, quando os laboratórios tentam comprovar a segurança de seus medicamentos em seres humanos; a fase 3 tenta estabelecer de a vacina ou o remédio produz imunidade contra um vírus.

Já a fase 3 é a última do estudo e procura demonstrar a eficácia da imunização.

Uma vacina é finalmente disponibilizada para a população quando a fase 3 é finalizada e a proteção recebe um registro sanitário.

 

Tudo sobre o coronavírus:

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Últimas Notícias

Ver mais
Pai da primeira-dama Janja morre em Curitiba, aos 83 anos
Brasil

Pai da primeira-dama Janja morre em Curitiba, aos 83 anos

Há 21 horas

Morre O.J. Simpson aos 76 anos
Mundo

Morre O.J. Simpson aos 76 anos

Há 23 horas

Casos de coqueluche se multiplicam na China e acendem alerta para epidemia
Mundo

Casos de coqueluche se multiplicam na China e acendem alerta para epidemia

Há um dia

Dengue: Brasil tem mais de 3 milhões de casos prováveis e já é a maior epidemia registrada no País
Brasil

Dengue: Brasil tem mais de 3 milhões de casos prováveis e já é a maior epidemia registrada no País

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais