• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Eficaz, rápido e simples: como funciona o teste da USP para covid-19?

Teste criado pela Universidade de São Paulo é realizado pela saliva, o que reduz custos e riscos de contágio
Coronavírus: novo teste tem resultado em até 24h (Getty Images/CHRISTOPH BURGSTEDT/SCIENCE PHOTO LIBRARY)
Coronavírus: novo teste tem resultado em até 24h (Getty Images/CHRISTOPH BURGSTEDT/SCIENCE PHOTO LIBRARY)
Por Tamires VitorioPublicado em 01/12/2020 13:05 | Última atualização em 01/12/2020 13:05Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O autoteste da Universidade de São Paulo (USP) para identificar o novo coronavírus foi lançado nesta terça-feira, 1º de dezembro. O teste, que permitirá que o próprio paciente colete a sua saliva em casa, consegue identificar casos da doença em até 24 horas, além de ser tão preciso e sensível quanto o RT-PCR, considerado o teste mais confiável.

Até o momento, o autoteste só estará disponível em São Paulo. É possível comprá-lo pelo valor de 150 reais ou fazer a coleta presencialmente no CEGH-CEL (Rua R. do Matão, 106 – Butantã) por 90 reais. É preciso agendar a visita ao local e o resultado é enviado por e-mail.

Ao adquirir o teste, o paciente recebe um kit embalado em saco plástico. Para realizá-lo, basta cuspir dentro do tubo de ensaio e lacrá-lo; depois é necessário fazer a higienização dele com álcool em gel. Por fim, deve-se retornar o tubo para dentro da caixa e fechar o kit. 

Segundo a USP, o autoteste é uma opção mais segura do que os demais por dois motivos: o primeiro é a diminuição do contágio, uma vez que um profissional de saúde não é necessário para a realização da coleta, e o segundo é que o uso da saliva dispensa o uso de swabs (espécie de cotonete que recolhe amostras de nasofaringe) para a testagem.

Além de ser considerada uma opção mais segura, o teste de saliva é também mais barato. A pesquisadora Maria Rita Passos-Bueno explica que a redução de custos se deve ao fato de o teste da saliva não precisar extrair o ácido nucleico das amostras, o que requer reagentes importados e caros. O ácido, também conhecido como RNA, é um composto “primo” do DNA. Nos testes de saliva, os processos são mais simples. 

“Conseguimos reduzir consideravelmente os custos finais do teste. Com isso, amplia-se o benefício para a população que poderá contar com uma opção mais acessível, segura e rápida de testagem”, afirmou Passos-Bueno em um comunicado enviado à imprensa.  

Como funciona o teste da USP para a covid-19?

A técnica de testagem por saliva é chamada de RT-LAMP e, assim como o PCR, é capaz de verificar se o vírus está presente no organismo do indivíduo. 

Ambos não são como os testes sorológicos (ou rápidos), que se baseiam na quantidade de anticorpos encontrados em um determinado paciente e podem indicar uma infecção prévia. 

Por isso é indicado que o autoteste seja realizado entre o segundo e o sétimo dia após o possível contágio, quando a carga viral é mais alta no organismo. 

O teste realizado por saliva é utilizado também para o diagnóstico de outras doenças, como o HIV, a zika e a dengue.

A pesquisa

O projeto de pesquisa do teste da saliva conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo (Fapesp) e da JBS, empresa do ramo alimentício que destinou R$ 50 milhões para 38 pesquisas científicas de enfrentamento ao coronavírus. Os pesquisadores agora buscam mais investimentos para ampliar a capacidade de testagem. O número de atendimentos por dia, por exemplo, pode aumentar.

Além disso, o objetivo é oferecer o teste em localidades com pouca infraestrutura para coleta e análise, incluindo os laboratórios de referência das universidades. 

Veja Também

Brasil tem média diária de 97 mortes por covid-19
Brasil
Há 7 horas • 2 min de leitura

Brasil tem média diária de 97 mortes por covid-19

Cresce suspeita de elo entre vírus de hepatite e covid-19
Ciência
Há 12 horas • 7 min de leitura

Cresce suspeita de elo entre vírus de hepatite e covid-19