Casual

Speedo apresenta roupa tecnológica que repele mosquito da dengue

As camisetas à venda por R$ 199 no e-commerce da marca já se esgotaram, mas serão repostas em breve

Speedo Multisport desenvolveu a linha Reepel, capaz de repelir mosquitos. (Divulgação/Divulgação)

Speedo Multisport desenvolveu a linha Reepel, capaz de repelir mosquitos. (Divulgação/Divulgação)

Júlia Storch
Júlia Storch

Repórter de Casual

Publicado em 11 de abril de 2024 às 15h06.

Tudo sobreRoupas
Saiba mais

Neste ano, o Brasil bateu recorde ao registrar o maior número de mortes por dengue em sua história. De acordo com dados do Painel de Arboviroses do Ministério da Saúde divulgados na segunda-feira, 8, o país contabilizou 1.116 óbitos nas primeiras 13 semanas de 2024, apresentando uma taxa nunca antes vista. Repelentes podem ser a principal barreira contra as picadas de mosquitos. Mas, a Speedo Multisport desenvolveu a linha Reepel, com uma tecnologia que repele o mosquito da dengue e demais insetos.

“Nós investimos, todos os anos, entre 8% e 12% do nosso faturamento em inovação. Isso está no nosso DNA. Enquanto marca, é nossa obrigação entender a necessidade do consumidor e darmos uma resposta rápida. Neste momento, temos um problema gravíssimo acontecendo e o nosso time de produtos focou em lançar algo realmente impactante e de acordo com a necessidade atual”, explica Roberto Jalonetsky, CEO da Speedo Multisport.

As camisetas à venda por R$ 199 no e-commerce da marca já se esgotaram, mas serão repostas em breve. " Já sabíamos da alta demanda, em função da epidemia que está acontecendo no Brasil, mas não imaginávamos que esgotaria com tamanha rapidez. A companhia está empenhada em acelerar a produção, em função da alta demanda", diz Jalonetsky.

A linha Reepel é feita de poliamida e o tecido recebe uma camada adicional de proteção, servindo de barreira para diversos insetos como: febre amarela, dengue, zika e chikungunya. Além disso, possui proteção UV50 contra raios solares.

No entanto, além da barreira física, há a proteção química Insecta EC50, desenvolvida na Bélgica. Cientistas identificaram que o piretro, um composto químico natural encontrado na natureza, mais especificamente nas flores de crisântemo, é capaz de repelir os insetos. Baseados nessa descoberta, desenvolveram um composto sintético chamado permetrina.

No tecido, a permetrina mantém os insetos a uma distância de pelo menos 20 centímetros de distância. Isso faz com que, mesmo em áreas expostas, como mãos e cabeça, permaneçam protegidas pela camiseta.

A durabilidade também é prolongada. Suporta até 100 lavagens, não possui qualquer odor e não causa danos ao meio ambiente.

“Estamos colocando no mercado a mais alta tecnologia de tecido para combater a dengue e outros mosquitos que causam doenças graves. No ano passado lançamos uma linha feita a partir de garrafas pet recicladas. Claro que, cuidar do meio ambiente é importantíssimo, mas ser verdadeiramente ESG, vai além disso. Ser uma companhia ESG requer olhar o tempo todo para as necessidades da sociedade e, entender enquanto marca, o que pode ser feito”, diz Jalonetsky.

Acompanhe tudo sobre:DengueRoupasModa

Mais de Casual

20 anos de romance: descubra Charleston por meio das locações de Diário de Uma Paixão

Recém-lançada, Ferrari de quase R$ 4 milhões já vendeu 20 unidades no Brasil

O supercarro português de luxo que chega ao mercado por R$ 9 milhões

Dia Nacional do Coquetel: 9 drinques clássicos revisitados para provar em São Paulo

Mais na Exame