Brasil

H&M e Zara são acusadas por ONG britânica de vínculos com desmatamento no Brasil

Inditex, matriz da Zara, disse que leva as acusações muito a sério e solicitou os resultados da investigação independente

Investigação: Zara e H&M podem estar ligadas a desmatamento no Brasil (Manaure Quintero/Bloomberg)

Investigação: Zara e H&M podem estar ligadas a desmatamento no Brasil (Manaure Quintero/Bloomberg)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 12 de abril de 2024 às 06h42.

Última atualização em 12 de abril de 2024 às 06h59.

A ONG britânica Earthsight acusa em relatório as empresas do setor têxtil H&M e Zara de estarem ligadas a atividades de desmatamento ilegal em larga escala no Brasil, além de apropriação de terras, corrupção e violência nas plantações de algodão de empresas terceirizadas.

Com base em imagens de satélite, decisões judiciais, registros de envio de produtos e investigações confidenciais, a Earthsight compilou e analisou dados publicados em um relatório publicado nesta quinta-feira, 11, entitulado: "Crimes da moda: gigantes europeus da moda vinculados ao algodão sujo no Brasil".

A ONG afirma que acompanhou a viagem de 816 mil toneladas de algodão procedentes de duas das maiores empresas agroindustriais do Brasil - a SLC Agrícola e o Grupo Horita -, no oeste do estado da Bahia.

Histórico ilícito

As famílias brasileiras proprietárias das fazendas têm "um histórico pesado de processos judiciais, condenações por corrupção e milhões de dólares em multas por desmatamento ilegal", denuncia a ONG. E desenvolvem suas atividades em uma parte da região do Cerrado, bioma famoso pela riqueza de sua fauna e flora.

As toneladas de algodão seguiram para oito fábricas têxteis da Ásia, onde são abastecidas as duas gigantes da 'fast fashion', a espanhola Zara e a sueca H&M. Todo o algodão estava certificado como "sustentável" pela organização sem fins lucrativos 'Better Cotton' (BC), segundo a Earthsight.

"Para garantir que o algodão procede de uma fonte ética, as duas empresas se baseiam no algodão fornecido pelos agricultores certificados pela Better Cotton, o sistema de certificação de algodão sustentável mais conhecido do mundo, mas que tem lacunas profundas", lamenta a Earthsight.

O que dizem as empresas

"Levamos muito a sério as acusações contra a Better Cotton, que proíbe estritamente práticas como usurpação de terras e desmatamento em suas especificações de condições", respondeu à AFP a Inditex, matriz da Zara. O grupo afirmou que solicitou os resultados da investigação independente "o mais rápido possível".

A H&M declarou à AFP que "as conclusões do relatório da Earthsight são muito preocupantes e as levamos muito a sério". O grupo sueco afirma que foi "um dos primeiros a passar para o algodão 100% orgânico, reciclado ou de origem sustentável" e que está "acompanhando as conclusões da investigação" em diálogo estreito com a Better Cotton.

Auditoria independente

A organização Better Cotton disse à Earthsight que "confiou a um auditor independente a missão de fazer visitas de verificação reforçadas" após a divulgação do relatório da ONG.

A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), que tem entre seus membros os produtores denunciados, informou que havia trabalhado com eles para fornecer à Earthsight evidências para contrapor o relatório.

"Infelizmente, estas foram largamente ignoradas. (...) A Abrapa condena inequivocamente quaisquer práticas que prejudiquem a conservação ambiental, violem os direitos humanos ou prejudiquem as comunidades locais", disse.

Os Estados-Membros do Conselho Europeu aprovaram no mês passado uma legislação que cria um "dever de vigilância" que impõe às empresas da UE obrigações para proteger o meio ambiente e os direitos humanos em suas cadeias de produção em escala mundial.

Acompanhe tudo sobre:ZaraDesmatamentoRoupas

Mais de Brasil

Enchentes no RS: aeroporto Salgado Filho não deve reabrir até setembro

Governo cria 'válvula' para dívida de estados e municípios em calamidade por eventos climáticos

MEC divulga resolução para retomada das aulas no Rio Grande do Sul; veja como vai funcionar

STF nega recurso de empregados de Furnas contra decisão que liberou AGE da Eletrobras

Mais na Exame