J.P. Morgan admite que avaliou mal apoio à Super Liga Europeia

O J.P. Morgan foi criticado por seu papel no financiamento dos clubes rebeldes, e torcedores foram imediatamente ao Twitter pedir um boicote ao banco

O J.P. Morgan disse nesta sexta-feira que lamenta ter apoiado times de futebol no lançamento de uma Super Liga Europeia dissidente depois que o plano fracassou nesta semana devido a uma avalanche de protestos de torcedores e políticos.

  • Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

“Está claro que avaliamos mal a magnitude da reação que esse acordo criaria e vamos aprender com essa experiência como empresa”, disse em comunicado na quinta-feira. “No final, os torcedores de futebol foram ouvidos em alto e bom som, e isso é o que mais importa.”

O J.P. Morgan disponibilizou uma concessão equivalente a 4,2 bilhões de dólares para os clubes fundadores gastarem com a infraestrutura e a recuperação do impacto da pandemia de covid-19.

O banco foi o único credor da nova competição, cujo mentor foi o presidente do Real Madrid, Florentino Pérez.

O pacote de financiamento era essencial para ajudar Pérez a conquistar a confiança de outros grandes clubes europeus e delinear um acordo vinculante que comprometeria 12 times, entre eles Juventus, Manchester United, Liverpool e Barcelona, com o novo torneio concebido para aumentar a arrecadação.

Mas o plano desmoronou no dia 21 de abril — menos de 48 horas depois de ser anunciado — quando oito dos 12 membros fundadores da Inglaterra, da Itália e da Espanha recuaram diante da grande pressão de torcedores, políticos, dirigente do futebol e até da família real britânica.

O J.P. Morgan também foi criticado por seu papel no financiamento dos clubes rebeldes, e torcedores foram imediatamente ao Twitter pedir um boicote ao banco.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também