Casual

Influenciador ‘Billionaire Gucci Master’ é condenado à prisão por fraude

Acusado de envolvimento em esquema global de roubo e lavagem de dinheiro, nigeriano ostentava riqueza no Instagram

Ramon Abbas, de 40 anos se declarou culpado e recebeu a sentença de 11 anos (Bloomberg/Bloomberg)

Ramon Abbas, de 40 anos se declarou culpado e recebeu a sentença de 11 anos (Bloomberg/Bloomberg)

B

Bloomberg

Publicado em 8 de novembro de 2022 às 11h53.

O influenciador de Instagram nigeriano que exibia sua riqueza nas mídias sociais como @hushpuppi e Billionaire Gucci Master foi condenado a passar os próximos 11 anos em uma prisão nos EUA por seu envolvimento em um esquema global de roubo e lavagem de dinheiro.

VEJA TAMBÉM

Ramon Abbas, de 40 anos, recebeu a sentença, de 135 meses de prisão, na segunda-feira em Los Angeles. Ele se declarou culpado em abril de 2021 por conspiração para se envolver em lavagem de dinheiro, que incluiu ajudar hackers norte-coreanos a lavar dinheiro de tentativas de roubar mais de US$ 1,3 bilhão de bancos por meio de ataques cibernéticos, de acordo com a promotoria.

Ao concordar em se declarar culpado, Abbas renunciou à maioria de seus direitos de recorrer da sentença, embora ainda possa fazer isso sob circunstâncias limitadas.

“Tudo está na mesa”, disse o advogado de Abbas, John Iweanoge, após a audiência em Los Angeles, onde sugeriu que uma sentença apropriada seria de quatro a cinco anos. “Foi muito, muito mais do que pensávamos”, disse ele sobre a pena imposta pelo juiz.

Abbas, nascido na Nigéria, ganhou fama em postagens no Instagram para seus mais de 2 milhões de seguidores, muitas vezes sorrindo na frente de um de seus Rolls Royces ou de sua Ferrari, ou relaxando em um assento em um jato particular.

Os promotores em documentos judiciais que ele tinha uma “longa história como golpista e lavador de dinheiro”. Abbas “é, em todos os aspectos, um indivíduo ambicioso, mas sua ambição há muito se dirige ao crime e suas recompensas”, disse a acusação. Sua “conduta foi repreensível e merece punição séria”.

O juiz Otis Wright disse que achava que os promotores públicos e advogados de defesa falavam sobre duas pessoas diferentes em suas descrições de Abbas.

Os advogados de Abbas pintaram o retrato de um homem de família e empresário de sucesso que se perdeu no mundo do crime e fez pouco mais do que fornecer acesso a contas bancárias para fraudadores.

Abbas, vestido com um macacão laranja de prisioneiro e algemado, disse ao juiz que estava com grandes problemas financeiros em 2019, quando aceitou ofertas de alguns associados para ajudá-los a lavar dinheiro.

“Eu estava desesperado, meritíssimo”, disse. “Eu estava muito desesperada.”

Ele se desculpou com suas vítimas e prometeu reembolsá-las integralmente vendendo seus dois Rolls Royces, uma Ferrari e um Range Rover.

Em seu acordo de confissão, Abbas admitiu abrir contas bancárias na Romênia e na Bulgária para Ghaleb Alaumary, um lavador de dinheiro condenado, através do qual o dinheiro de um assalto a banco maltês foi lavado. Os EUA acusaram hackers norte-coreanos de roubar, ou planejar roubar, 13 milhões de euros (US$ 13 milhões) do banco maltês.

Abbas também abriu uma conta bancária no México para ajudar a lavar dinheiro de golpes de e-mail que visavam um clube de futebol profissional e uma empresa britânicos. Esses golpes teriam roubado das vítimas 6 milhões de libras (US$ 6,9 milhões), segundo a acusação. Ele também admitiu ter ajudado a lavar dinheiro de outras vítimas de fraude, incluindo um escritório de advocacia de Nova York e uma empresa no Qatar, segundo os promotores.

Os promotores pediram ao juiz que condenasse Abbas a 11 anos e três meses de prisão.

Abbas não sabia quantas pessoas estavam envolvidas na conspiração, nem quanto dinheiro estava envolvido, disseram seus advogados. Eles atribuíram seu envolvimento a sua ingenuidade e mau julgamento.

“O senhor Abbas não foi o líder, organizador ou supervisor no cometimento desse crime”, disseram seus advogados. “O senhor Abbas fez tudo ao seu alcance para corrigir seus atos”.

Alaumary, de Mississauga, no Canadá, foi condenado a mais de 11 anos em setembro, depois de se declarar culpado de duas acusações de conspiração para cometer lavagem de dinheiro.

Em uma carta ao juiz, Abbas se desculpou por suas ações.

“Se eu pudesse voltar no tempo, tomaria uma decisão totalmente diferente e seria mais cuidadoso nas escolhas e amigos que faço”, disse ele na carta manuscrita.

Conheça a newsletter da Casual EXAME, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

Acompanhe tudo sobre:InfluenciadoresInternetPrisõesRedes sociaisRoubos

Mais de Casual

20 anos de romance: descubra Charleston por meio das locações de Diário de Uma Paixão

Recém-lançada, Ferrari de quase R$ 4 milhões já vendeu 20 unidades no Brasil

O supercarro português de luxo que chega ao mercado por R$ 9 milhões

Dia Nacional do Coquetel: 9 drinques clássicos revisitados para provar em São Paulo

Mais na Exame