Casual

Corolla Cross mantém fórmula discreta para conter avanço dos chineses

SUV médio da Toyota não liga para a liderança do Jeep Compass, mas sim para o apelo dos híbridos e elétricos de BYD, GWM e Volvo

Corolla Cross 2025: lanternas e rodas redesenhadas (Toyota/Divulgação)

Corolla Cross 2025: lanternas e rodas redesenhadas (Toyota/Divulgação)

Rodrigo Mora
Rodrigo Mora

Repórter de automobilismo

Publicado em 27 de abril de 2024 às 07h26.

Tudo sobreCarros
Saiba mais

Por ser um SUV, categoria mais desejada do mundo há pelo menos uma década, e ainda por cima da Toyota, marca japonesa sinônimo de qualidade e confiabilidade e com algum status, o Corolla Cross tem credenciais poderosas para se destacar entre os utilitários médios. É um dos segmentos mais efervescentes do momento.

Talvez por isso as atualizações para a linha 2025 tenham sido modestas.

Na parte externa, conjuntos óticos dianteiro (full-LED nas versões XRX, XRX Hybrid e GR-Sport) e traseiros redesenhados, grade e para-choque remodelados e novas rodas. Na cabine, painel digital com tela configurável de 12,3 polegadas, carregador de celular por indução, forro do teto em tecido, abertura e fechamento da tampa do porta-malas elétricos e, mais importante e reivindicado, freio de estacionamento eletrônico substituindo o freio mecânico de pedal.

Nada de novo na parte mecânica, como fez o Compass. Há sete anos no topo dos SUVs médios mais vendidos, o SUV médio da Jeep se empenhou mais para manter a liderança: ganhou conteúdo, baixou de preço e, o mais importante, recebeu um novo motor 2.0 de 272 cv reservado às versões Overland e Blackhawk.

Com 123 cv e um câmbio do tipo CVT, a proposta do Corolla Cross passa longe da esportividade agora atribuída ao Compass. No SUV da Toyota não se busca a emoção, mas sim administrar a energia que alimenta os dois motores elétricos e assim alcançar médias próximas de 15 km/l no ciclo urbano. O interior é um ambiente silencioso, confortável e espaçoso. Os novos equipamentos tornaram a experiência a bordo ainda mais tranquilizante.

Ocorre que o Jeep não incrementou sua oferta para conter o avanço do Toyota, tampouco este evoluiu para conquistar a liderança. Desembarcando quase ao mesmo tempo nas respectivas concessionárias, líder e vice-líder do segmento começam a se defender da escalada dos modelos chineses – sobretudo BYD Song Plus e GWM Haval H6.

Invasão chinesa

Na virada da década passada, carros populares importados da China começaram a desembarcar no Brasil com uma receita teoricamente imbatível: oferecer mais equipamentos do que Gol, Celta, Palio e companhia custando, quando não menos, o mesmo preço. Donde saiu o termo “invasão chinesa” – que nunca se concretizou, vista a qualidade bastante inferior dos produtos e do atendimento de empresas como Lifan, Effa, Chery e JAC.

Uma verdadeira “invasão chinesa” se desenrola agora, mas com híbridos e elétricos luxuosos substituindo populares frágeis e mal-acabados.

Por ora, as protagonistas são BYD e GWM. Em agosto de 2021, a Great Wall Motor comprou a fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis (SP), onde a alemã montou os modelos Classe C e GLA entre 2016 e o fim de 2020. Na sequência, anunciou dois ciclos de investimento: R$ 4 bilhões de 2022 a 2025 e R$ 6 bilhões entre 2026 e 2032. Prevista para o próximo semestre, a produção nacional será inaugurada por um SUV (ainda não definido) da linha Haval.

Que pode ser o H6, hoje importado. Na versão HEV, de R$ 214 mil, o SUV traz um conjunto híbrido do tipo autorrecarregável. Combinados, o motor 1.5 turbo (gasolina) e o elétrico somam 243 cv e 54 kgfm de torque e levam o modelo aos 100 km/h em 7,9 segundos, segundo dados da GWM. A marca não revela dados de consumo, mas durante o evento de lançamento do SUV promoveu uma competição de economia de combustível entre os jornalistas, e a dupla vencedora chegou a 24 km/l.

O Haval H6 PHEV, híbrido do tipo plug-in, custa R$ 279 mil e traz dois motores elétricos, um em cada eixo, e o mesmo motor 1.5 turbo. Juntos chegam a 393 cv de potência e 77,7 kgfm de torque.

A BYD havia prometido R$ 3 bilhões para começar a fabricar carros híbridos e elétricos no Brasil. No último mês, anunciou mais R$ 2,5 bilhões para Camaçari (BA), de acordo com a empresa seu maior polo industrial fora da China.

Os primeiros BYD nacionais chegam no fim do ano, e dois deles serão o elétrico Yuan Plus e o híbrido Song Plus, SUVs de porte semelhante ao de Compass e Corolla Cross e que custam R$ 230 mil.

Quando se acreditava que 2023, ano marcado por uma avalanche de lançamentos e pelo desembarque irreversível das chinesas, vêm as marcas Omoda e Jaecoo, ambas do grupo Chery, anunciar em dezembro que estão chegando com SUVs híbridos e elétricos.

Perto de estrear no Brasil, o Volvo EX30 será outro desafio para Compass e Corolla Cross. Partindo de R$ 230 mil, o SUV 100% elétrico é baseado na plataforma Sustainable Experience Architecture (SEA), desenvolvida pela Geely, dona da marca sueca. Portanto, apesar do estilo escandinavo, o EX30 virá...da China.

Acompanhe tudo sobre:CarrosToyotaBYD

Mais de Casual

Aos 21 anos, Carlos Alcaraz chega a R$ 122 milhões em premiações após conquista de Roland Garros

Em jogo de mais de 4 horas de duração, Alcaraz derrota Zverev e é campeão de Roland Garros

Festival apresenta mais de 60 documentários musicais em SP

Diamantes de laboratório e inspiração na natureza: confira as tendências da joalheria

Mais na Exame