Acompanhe:

A IPA é com certeza o estilo de cerveja artesanal mais produzido e mais consumido no mundo. Seu nome é um acrônimo – India Pale Ale - que remete a sua origem na Inglaterra no século XIX, durante a colonização do país asiático do qual empresta seu nome. Tanto na época, quanto agora conquista bebedores devido ao uso (e abuso) do seu ingrediente de principal importância sensorial – o lúpulo.

Também não tenho receio de dizer que é o único com chances – poucas, eu sei – de rivalizar com as American Lagers de massa nas disputas pelos copos dos cervejeiros. Talvez seja por isso que tantas variações de IPA surgiram. São muitas de fato, e são tão distintas que pedir uma IPA em um local especializado vai sempre causar a pergunta – Qual tipo de IPA?

Sem muito esforço cataloguei 15 variações desse super estilo. Algumas já são consideradas estilos oficiais, enquanto outras não tem esse status oficialmente: English IPA; West Coast IPA; Imperial IPA; Session IPA; Hazy IPA; Brut IPA; Milkshake IPA; Black IPA; Wet-Hop IPA; Rye IPA; Belgian IPA; Fruited IPA; Cold IPA; Sour IPA; e Coffee IPA.

Nessa primeira parte vou descrever as mais prevalentes – que por acaso são as minhas favoritas.

English IPA

É a versão moderna do estilo que deu origem a nossa paixão por lúpulo. Possui graduação alcoólica próxima dos 6%, repleta de lúpulos ingleses que tanto no aroma e no sabor são herbais e terrosos (lembram chá). Devido a base de maltes tem notas de biscoito que são muito típicas. Tem amargor assertivo, porém equilibrado com cerca de 50 IBUs (unidades internacionais de amargor).

West Coast IPA

É a primeira releitura do estilo feita nas Américas. Também focada em amargor, mas mais agressiva que as inglesas (60-70 IBUs). A base de maltes é mais simples, neutra. E com isso os lúpulos brilham ainda mais. Aqui, perfis resinosos e frutados apresentam o grande diferencial sensorial.

Imperial IPA

Conhecido também como Double IPA, sensorialmente são similares as West Coast mas com o “dobro” da porcentagem de álcool, do amargor (~90 IBUs) e da felicidade entregue. Como lúpulo nunca é demais, existem variações ainda mais extremas carinhosamente chamadas de Triple ou Quadruppel IPAs.

Session IPA

Essa é a IPA do dia-a-dia. Com porcentagem de álcool abaixo dos 5% e cerca de 40IBUs é a mais perfeita explicação para o termo drinkability. Leve e saborosa, para beber em grande volume (sim, a cara de um churrasco). O perfil sensorial também é resinoso e frutado pelo uso de lúpulos de terroir estadunidense.

Hazy IPA

Uma IPA que não é amarga. É um verdadeiro suco de lúpulo. Uso de aveia e trigo a deixa com o corpo mais elevado e turva – por isso Hazy. Seu diferencial está em usar lúpulo como se lúpulo fosse de graça com técnicas que não trazem amargor, apenas sabor e aroma. Esses são normalmente extremamente frutados, tropicais. Pode ser também chamada de Juicy (suculenta!) IPA, de NEIPA (New England IPA) ou East Coast IPA por ter surgido na costa oposta dos EUA. Obviamente, Double e Triple Hazy IPAs também estão por aí.

Mais que água na boca, por aqui deu até para sentir aquele delicioso retrogosto de lúpulo! Aquele que dá uma vontade incontrolável de beber mais um gole! Que tal então experimentar (ou revisitar) alguns exemplos desses estilos. Na próxima coluna tem mais IPAs!

*As opiniões contidas nesta coluna não refletem necessariamente a opinião de Exame.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
De 300 a 80.000 garrafas: os brasileiros que produzem vinho na Califórnia
Casual

De 300 a 80.000 garrafas: os brasileiros que produzem vinho na Califórnia

Há 23 horas

A estratégia da Jose Cuervo para que a tequila seja lembrada para além do shot
Casual

A estratégia da Jose Cuervo para que a tequila seja lembrada para além do shot

Há 3 dias

Os desafios climáticos para a safra de vinhos de 2024
seloRevista Exame

Os desafios climáticos para a safra de vinhos de 2024

Há 5 dias

A ciência dos vinhos: Emily Ewell, CEO da Pantys, também se dedica nos estudos sobre vinhos
seloRevista Exame

A ciência dos vinhos: Emily Ewell, CEO da Pantys, também se dedica nos estudos sobre vinhos

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais