Acompanhe:

Já não restam dúvidas: "Oppenheimer" foi o filme do ano de 2023. Isso, pelo menos, segundo a crítica especializada: o longa de Christopher Nolan foi vencedor da maior parte das estatuetas do Globo de Ouro, Critics Choice Awards e Bafta, e segue como o favorito ao Oscar — ao qual foi indicado em 13 categorias. E a figura central da história tem um nome: Cillian Murphy.

O ator irlandês está na corrida das premiações, muito embora seja bem avesso a elas. Vencedor como melhor ator no Globo de Ouro e no Bafta, Murphy pode vencer neste ano a mesma categoria do Oscar. Se assim o fizer, será inédito: apesar da extensa carreira no cinema, ele nunca ganhou uma estatueta da premiação. A indicação, aliás, também foi a primeira.

No palco, o ator deixa transparecer a felicidade de estar no elenco, sem perder de vista o aspecto mais reservado. "Oppenheimer era um personagem colossalmente atrevido e complexo e significava coisas diferentes para pessoas diferentes", disse ele ao receber a estatueta do Bafta. "O monstro de um homem é o herói de outro. É por isso que eu adoro filmes, porque temos um espaço para celebrar, interrogar e investigar essa complexidade."

Cillian Murphy foi vencedor do Bafta de melhor ator em 2024 (Stephane Cardinale - Corbis/Corbis/Getty Images)

Quem é Cillian Murphy?

Por trás dos personagens frios e calculistas, no entanto, Cillian Murphy apresenta uma personalidade carismática, pai e marido dedicado à família, apesar do perfil mais discreto e distante dos holofotes.

O ator irlandês parece carregar uma personalidade semelhante aos personagens dramáticos que interpreta. Mas está muito longe disso: fora das telas, gosta de fazer piadas e é simpático com fãs e jornalistas.

Apesar de manter a vida pessoal fora das câmeras, Cillian já revelou em algumas entrevistas que mantém um ótimo relacionamento com a esposa, Yvonne McGuinnesse, com quem é casado desde 2004, e os dois filhos, Malachy (17 anos) e Carrick (16 anos). Eles moram em Dublin, na Irlanda. Embora católico e batizado na Igreja, ele considera ateu.

Cillian mantém certa distância do estrelismo de Hollywood e é conhecido por ser mais reservado quanto sua vida pessoal. Como já relatou em diversas entrevistas, costuma viajar sem comitiva e prefere ir sozinho às estreias de filmes. Também afirmou que não tem estilista pessoal ou publicitário.

Cillian Murphy e o diretor Neil Jordan em premiere na Irlanda. (Haydn West/WireImage/Getty Images)

Antes do cinema

Natural da cidade de Cork, na Irlanda, Cillian é o mais velho de quatro irmãos. A mãe era professora de francês e o pai trabalhava para o Departamento de Educação e Habilidades na Irlanda.

Apaixonado pela música, quando atingiu a maioridade, foi estudar direito na University College Cork, mas largou o estudos um ano depois para se dedicar à carreira musical e artística. Ele tocava guitarra e piano desde criança e tinha o sonho de se tornar um astro do rock.

"Eu provavelmente seria mais saudável se tivesse insistido em direito, mas seria miserável", afirma ele em entrevista ao The Guardian. Na adolescência, o ator chegou a ter uma banda com o irmão, chamada Sons of Mr. Greengenes, mas o projeto durou pouco tempo. "Meus pais ficaram aterrorizados com a ideia de perder os filhos para o monstro do rock ‘n’ roll”, brinca ele.

Seus projetos para uma carreira musical, dessa forma, foram sendo deixados de lado. Em entrevista à The Famous People, Murphy afirmou que depois de ver a peça de teatro "A Clockwork Orange", dirigida por Kiernan, sua atenção ficou mais voltada para a carreira como ator. "Foi um momento importante da minha vida", destaca ele ao portal.

Carreira no teatro

Os primeiros papéis como ator foram em peças de teatro. Ele chegou a atuar em espetáculos menores, em "Observe the Sons of Ulster Marching Towards the Somme" e "Little Shop of Horrors", no entanto, seu primeiro papel de peso foi em 1996, em "Disco Pigs", de Enda Walsh.

O talento, a partir dali, ficou claro e a carreira de Cillian começou a decolar. Depois do trabalho de Walsh, o ator interpretou personagens nas peças "Much Ado About Nothing" de Shakespeare (1998), "The Country Boy" e "Juno and the Paycock" (ambos de 1999), entre muitos outros.

Cinema e televisão

Em 1999, conquistou seu primeiro papel no cinema como Davin em "Sunburn". E dele se seguiram outras participações menores, como em "On the Edge" (2001) e, mais tarde, "Watchmen" (2001), onde atuou como roteirista.

O primeiro trabalho de peso no cinema veio em 2002, para o filme "28 Days Later". Por sua interpretação como Danny Boyle, foi indicado na categoria de Melhor Revelação no Empire Awards (2003) e Melhor Revelação Masculina no MTV Movie Awards (2004).

A partir de 2005, seus papéis começaram a se tornar mais emblemáticos e complexos. Em "Batman Begins", sua interpretação do Dr. Jonathan Crane rendeu a ele uma indicação na categoria de Melhor Vilão no MTV Movie Awards (2006) e fez os olhos do diretor Christopher Nolan brilharem.

Cillian havia sido originalmente convidado a atuar como Batman, mas destacou que seu porte físico e altura não eram compatíveis como super-herói. Na época, Nolan chegou a dizer, em entrevista à revista "Spin", que o olhar do ator era tão impactante que "eu sempre tentava inventar desculpas para ele tirar os óculos em close-ups".

Depois de "Batman Begins", Cillian estava oficialmente reconhecido no cinema, bem como aclamado pela crítica. O The New York Times o classificou como o vilão perfeito para o Batman, no mesmo ano em que o The New Yorker o descreveu como "ator que tem uma aparência angelical e pode se tornar sinistra, é um dos monstros mais elegantemente sedutores dos filmes recentes".

De 2005 para cá, Cillian faz parte de grandes filmes da história do cinema, como "Café da Manhã em Plutão" (2005), "Cavaleiro das Trevas" (2008), "A Origem" (2010), "Misterman" (2012),  "No Coração do Mar" (2015) e tantos outros.

Os trabalhos como ator de cinema e teatro renderam a ele um Ourense Independent Film Festival Award como Melhor Ator (2002), por "Disco Pigs"; um GQ UK Award como Ator do Ano e Irish Film & Television Award como Melhor Ator em um papel principal (2007) por "The Wind That Shakes the Barley" e "Café da Manhã em Plutão", respectivamente, e um Irish Times Theatre Award como Melhor Ator e um Drama Desk Award como Melhor Desempenho Solo  (2012) por seu trabalho em "Misterman".

Cillian Murphy nunca foi indicado ou vencedor de um Oscar. A atuação em "Oppenheimer" (2023), segundo críticos e especialistas, pode ser sua primeira chance real.

"Peaky Blinders" e o fenômeno de Thomas Shelby

Apesar de ter feito um imenso sucesso nas obras de Christopher Nolan, foi a série "Peaky Blinders" da BBC One e Netflix, que realmente o deixou famoso.

Pelo papel como Thomas Shelby, Cillian Murphy recebeu dois prêmios: como Melhor Ator em papel principal pelo Irish Film & Television Award, em 2018, drama e Melhor Performance em drama, em 2020, pelo National Television Awards.

"Peaky Blinders" tem seis temporadas e está disponível na Netflix.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Os 5 melhores filmes e séries para maratonar no fim de semana; veja trailers
Casual

Os 5 melhores filmes e séries para maratonar no fim de semana; veja trailers

Há um dia

Após Barbie, Margot Robbie vai produzir filme sobre Banco Imobiliário
Pop

Após Barbie, Margot Robbie vai produzir filme sobre Banco Imobiliário

Há 2 dias

O Oscar de 2025 já tem data para a cerimônia e lista de indicados; veja quando será
Pop

O Oscar de 2025 já tem data para a cerimônia e lista de indicados; veja quando será

Há 3 dias

Onde assistir 'Duna 2'? Filme chega ao streaming em abril; veja como ver online
Pop

Onde assistir 'Duna 2'? Filme chega ao streaming em abril; veja como ver online

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais