Rechear seus textos com hashtags traz problemas. Veja quais

O professor Diogo Arrais, do Damásio Educacional, explica as confusões linguísticas que podem surgir com o uso de hashtags em textos na língua portuguesa

Resposta de Diogo Arrais, professor do Damásio Educacional

São Paulo - Hoje em dia, muitas expressões popularizam-se devido à Internet; os meios eletrônicos buscam a rapidez, a objetividade e, como consequência, nem sempre se pensa nos parâmetros da língua-padrão.

Um símbolo popularizado é a famosa “hashtag” (#) – popularmente conhecido como “jogo da velha”. Sua utilização indica determinado assunto discutido no texto, na frase, na postagem eletrônica.

Neste período de Copa do Mundo, por exemplo, é fácil encontrar as mensagens “#vaitercopa” e “#naovaitercopa”. Pessoalmente, com a fusão de várias palavras, fica extremamente complicada a compreensão – a ponto da desistência da leitura do que vem após as hashtags. Haja jogo da velha, por aí, nas mídias sociais. É um “mais que viral simbológico”, às vezes não tão lógico assim!

Sinais importantes em nossa Língua - como til, acento agudo e acento circunflexo – ficam em segundo plano. Sem a visão rígida da tradicional Gramática, afirma-se sobre a agilidade da mensagem ou simplesmente porque a norma, em citado caso eletrônico, não teria tamanha importância.

O que, de fato, vem ocorrendo é exatamente a profusão de situações confusas, desconexas e cacofônicas (que geram sons estranhos). Uma garota, por exemplo, ao homenagear a mãe, usou a “hashtag” em “#amarela”. Seria a cor? Seria o amor?

Outros, mais viciados no símbolo, só se comunicam com “#”. Famosos médicos já registraram “#medico”. É a forma verbal ou a proparoxítona infelizmente não acentuada? Tanto faz? Curioso!

O termo “país”, em várias ocorrências digitais, “hastaguiado”, transformou-se em “pais”; a letra B, maiúscula, que representa a nossa nação, dificilmente aparece na decência “#Brasil”.

Enfim, em referência mais uma vez ao “#vaitercopa”, caso se seguisse a norma, entraria em campo o verbo haver (já que o verbo ter nunca deve representar a existência) e a letra “c” maiúscula: “#haveráCopa”.

Aos amantes da Comunicação, fica aqui uma polêmica: seguir ou não seguir a língua-padrão em meios eletrônicos?


Um abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

(Divulgação)

Diogo Arrais é professor de língua portuguesa do Damásio Educacional e autor gramatical pela Editora Saraiva.

Quer participar do dicas de português? Então, envie suas dúvidas para o e-mail examecarreira@abril.com.br

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.