Carreira

O que é quiet vacationing? Trabalhadores têm tirado folgas 'escondidas'

Pesquisas indicam que a folga melhora a saúde física e mental, mas muitos não conseguem tirar um tempo de descanso

Muitos americanos não enxergam a folga como necessária e merecida, mas como um sinal de preguiça (Stephen Zeigler/Getty Images)

Muitos americanos não enxergam a folga como necessária e merecida, mas como um sinal de preguiça (Stephen Zeigler/Getty Images)

Publicado em 20 de junho de 2024 às 09h29.

Depois do "trabalhe de qualquer lugar", bastante comum na pandemia, um conceito começa a ganhar corpo no meio corporativo: o "quiet vacationing". Numa tradução simples: férias discretas, silenciosas, tranquilas... no meio do trabalho.

Não existe ainda uma definição completa para essa modalidade, que pode abranger uma variedade de comportamentos viajar para um lugar distante e não avisar, ou  então não trabalhar, mas manter sempre o mouse em movimento para parecer que está online.

Por um lado, isso parece uma possibilidade nova e incrível trazida pela ascensão do trabalho remoto. Por outro, a ideia de que as pessoas estão sob tanta pressão no trabalho que sentem que não conseguem tirar uma folga para se desconectar de tudo ou até mesmo dizer ao chefe que estão trabalhando fora da cidade por um tempo é profundamente deprimente. É um lembrete de como a cultura de trabalho americana está quebrada.

Essa ideia de quiet vacationing foi desencadeada por uma pesquisa recente da Harris Poll sobre a cultura fora do escritório e publicada pelo Business Insider. Descobriu-se que 28% dos trabalhadores disseram que tiraram folga do trabalho sem avisar seus chefes – basicamente, eles estão fora do escritório, mas não “oficialmente”. A geração Millennial, em particular, adotou a prática, com 37% afirmando que abandonaram o trabalho às escondidas.

Não é que estes trabalhadores estejam insatisfeitos com as férias que as suas empresas oferecem: 83% dos entrevistados afirmaram estar satisfeitos com a política de folgas remuneradas da sua empresa. O problema parece ser que os funcionários não sentem que podem realmente aproveitar o tempo de folga que lhes é concedido. Oito em cada 10 trabalhadores afirmaram não utilizar a quantidade máxima de tomada de força permitida; alguns disseram que se sentiram pressionados para estarem sempre disponíveis, enquanto outros citaram a grande carga de trabalho como motivo.

Quase metade disse que ficou nervoso ao solicitar uma folga e 75% disseram que gostariam que a cultura do seu local de trabalho valorizasse mais as pausas. Cerca de um terço disse que moveu o mouse para parecer que estava online, e quase a mesma parcela disse que programou mensagens fora do horário de trabalho para dar a impressão de que estava fazendo horas extras.

O Business Insider aponta que isso é exclusivamente americano. Muitas vezes eles não enxergam folga como necessária e merecida, mas como um sinal de preguiça e falta de ética no trabalho. As pessoas não são instruídas a trabalhar para viver; eles são instruídos a viver para trabalhar.

Existem todos os tipos de pesquisas indicando que a folga melhora a saúde física e mental, reduz o estresse e aumenta a produtividade, entre outros benefícios. Até mesmo planejar férias deixa as pessoas mais felizes. As pessoas precisam se desligar psicologicamente do trabalho para relaxar e se recuperar.

E o BI encerra o texto afirmando: Se você está em "férias silenciosas" e seu chefe não sabe, bom para você, eu acho. Mas provavelmente seria melhor se você pudesse ser honesto sobre onde está e o que está fazendo. E nada disso elimina a necessidade de férias de verdade.

Acompanhe tudo sobre:Mercado de trabalhoAmbiente de trabalho

Mais de Carreira

De estilista a presidente: os 4 passos para alcançar o sucesso, segundo a CEO do Grupo Malwee

Arteris investe em educação corporativa para lidar com desafios de diversidade geracional

Com salários de até R$ 96 mil, veja 12 profissões em alta no mercado para quem gosta de números

5 profissões para quem quer trabalhar com estatística

Mais na Exame