Bússola
Um conteúdo Bússola

Faturando R$ 6 mi, empresário lança primeiro metaverso de educação no país

Especialista em produções audiovisuais e em cursos de capacitação na área de criação, Miguel Lobitsky planeja concorrer diretamente com Youtube

Primeira experiência ocorreu em fevereiro de 2022 (Grupo Ecco/Divulgação)

Primeira experiência ocorreu em fevereiro de 2022 (Grupo Ecco/Divulgação)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 9 de junho de 2023 às 10h00.

Após quase 15 anos atuando com soluções integradas nas áreas de audiovisual e educação, e de alcançar um faturamento de R$ 6 milhões em 2022 com suas marcas, o Grupo Ecco está prestes a lançar a primeira plataforma do Brasil no metaverso totalmente voltada à educação. Idealizada pelo empresário Miguel Lobitsky, a Meta Universe atua em parceria com a NFT School e irá complementar o ecossistema de capacitação e tecnologia do Grupo, que já conta com um Núcleo de Formação Tecnológica, conduzido pela Six O’Clock, produtora de audiovisual especialista em inovação; e a agência digital Lab8.

O potencial do Metaverso para a educação

A primeira experiência do grupo com o metaverso aconteceu em fevereiro do ano passado, quando, a convite da empresa norte-americana Nowhere, realizou o maior evento online de educação em um metaverso no Brasil com cerca de 200 participantes. “A Nowhere tinha acabado de lançar a plataforma e nos convidou para testar no Brasil, ali vi que o formato seria ideal para uma sala de aula, pois ele permite a interação entre as pessoas, formar grupos e trabalhar de forma muito mais dinâmica que em uma plataforma tradicional de vídeo aulas. E o entretenimento é uma peça muito importante na educação online”, diz Lobitsky.

A porta de entrada para os alunos que quiserem se aventurar no metaverso desenvolvido pela Metauniverse, empresa do Grupo Ecco, será a Plataforma NFT, que hoje conta com 50 cursos online nas áreas de animação 3D, arquitetura e engenharia, áudio, composição, games, marketing digital, publish, realidade virtual e vídeo, disponíveis para um total de três mil alunos. “Os usuários do NFT que quiserem ampliar a experiência no metaverso com aulas exclusivas e imersivas poderão fazer uma assinatura premium, tendo direito a mentorias, interação com outros alunos e tudo mais o que a plataforma é capaz de proporcionar”, afirma o empresário.

O projeto também prevê a criação de salas que podem ser “alugadas” por empresas de educação. De acordo com Lobitsky, entre os benefícios de se ministrar cursos no metaverso está a gamificação, que gera interação capaz de motivar cada vez mais as pessoas, além do custo-benefício, já que não é necessário investir em estrutura física e, mesmo assim, proporcionar trocas muito semelhantes às de uma aula presencial. “Há também a questão da escalabilidade, pois é possível alcançar pessoas do mundo todo”, declara o idealizador, que também destaca que o alto custo de investimento na criação de um metaverso não possibilitará que todas as empresas tenham sua própria plataforma. “Isso envolve muita pesquisa de tecnologia e é um processo constante, então será muito mais fácil uma empresa contratar um espaço dentro de uma plataforma já existente e poder usufruir de todos os benefícios do metaverso sem desembolsar e realizar grandes investimentos.”

Plataforma NFT

No paralelo ao grande lançamento da Metauniverse, o grupo também anunciará a total reformulação da NFT, que terá formato de stream e proporcionará uma experiência mais completa aos assinantes, com um marketplace onde terá trabalhos de alunos à venda e uma plataforma integrada de creators. “Nosso objetivo é concorrer diretamente com o Youtube, que é hoje a maior plataforma de conteúdo de educação do mundo. Mas para isso, precisamos ter uma plataforma diferenciada, com mais interação e gamificação, além de torná-la financeiramente mais acessível”, aposta o empresário, que revela que o preço da assinatura previsto para o lançamento será previsto para R$29,90 mensal.

A gamificação do espaço envolvendo ganhos em criptomoedas – quanto mais assíduo e participante é o aluno, mais ele ganha – e a comercialização de equipamentos que facilitem o acesso aos cursos são outras melhorias que estão sendo estudadas pelo Grupo ECCO para a Plataforma NFT.

“Resiliência e persistência foram determinantes, pois hoje nosso conglomerado de empresas tem um crescimento anual na ordem de 100%, com faturamento médio de 6 milhões de reais”, diz.

Com as novidades, o Grupo ECCO planeja dobrar o faturamento em 2023, alcançando ganhos na casa dos R$ 12 milhões.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

João Zanocelo: Quem é o profissional do futuro?

7 tecnologias para alavancar o setor industrial no Brasil

Oxygea abre inscrições de seu primeiro programa de aceleração

Acompanhe tudo sobre:MetaversoEducaçãoempresas-de-tecnologiaInovação

Mais de Bússola

Pesquisa aponta que 73% dos brasileiros rejeitam imposto seletivo sobre bebidas açucaradas

Campanha da SAZÓN no BBB24 mais que dobrou número de novos usuários no e-commerce

Dia Internacional da Mulher na Engenharia: sejamos hoje o modelo para as líderes do futuro

E se seu filho pudesse estudar empreendedorismo desde pequeno? Conheça escola que dá curso na área

Mais na Exame