Um conteúdo Bússola

Escola precisa se atualizar para engajar alunos, diz pesquisadora

Para Monica Weinstein, currículos atuais foram pensados antes da revolução tecnológica
Engajamento do aluno depende de quanto o conteúdo faz sentido para ele (Amanda Perobelli/Reuters)
Engajamento do aluno depende de quanto o conteúdo faz sentido para ele (Amanda Perobelli/Reuters)
Por Da RedaçãoPublicado em 03/06/2021 15:28 | Última atualização em 04/06/2021 06:58Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Por Bússola

 Precisamos aprender a olhar a escola e a aprendizagem como entidades distintas. Enquanto a escola oferece experiências e conhecimentos, a aprendizagem permite que o aluno desenvolva a cognição para poder tomar boas decisões. O desafio é que para aprender é necessário engajar o estudante, e nem sempre a escola consegue engajá-lo.

Esses foram os pontos levantados por Monica Weinstein, pesquisadora em educação e conselheira do Instituto Alicerce, durante o Feira de Carreiras, evento online promovido pelo projeto Engaja, com organização de Unicef, CIEDS e Saint-Gobain, no último dia 28 de maio.

Segundo ela, os currículos escolares foram planejados a partir da premissa de que a escola é um lugar para passar a informação, um formato pensado muito antes da revolução tecnológica dos últimos anos.

“A escola não se atualizou e parou para entender questões como: que informações quero buscar? Para quê quero essas informações? O que farei com elas? O que quero desenvolver a partir delas? Não pensar em questões como essas irá influenciar na escola, na comunidade e principalmente no mundo do trabalho. É preciso fazer parte da vida do aluno, entender suas características e o que ele precisa desenvolver”, afirma.

Outro ponto importante, para Weinstein, é a falta de engajamento dos alunos. O segredo da educação bem sucedida é o engajamento do aluno, e isso não é algo que pode ser desenvolvido apenas sob a perspectiva do interesse ou da experiência. É essencial que esteja ao alcance do entendimento, da cognição.

“Nós nos engajamos quando a experiência faz sentido para nós – sentido inclusive do ponto de vista da cognição. Se o conteúdo for difícil demais, o aluno não vai se engajar porque não compreende o que lhe está sendo ensinado; e se aquilo que ensinamos for fácil demais, ele também não se engajará por falta de interesse. É um equilíbrio delicado”.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube