Bússola
Um conteúdo Bússola

Ela já coleciona 62 medalhas de ouro no jiu-jitsu e na luta livre (e tem apenas 12 anos)

Sofia Azevedo, moradora da Baixada Fluminense (RJ), é a atual número 1 nos rankings mundiais IBJFF e grappling

Sofia Azevedo já conquistou medalha de ouro em pelo menos cinco competições mundiais (Dani Xavier / @dani.dani.xavier - Instagram/Reprodução)

Sofia Azevedo já conquistou medalha de ouro em pelo menos cinco competições mundiais (Dani Xavier / @dani.dani.xavier - Instagram/Reprodução)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 21 de maio de 2024 às 15h44.

Última atualização em 21 de maio de 2024 às 16h13.

Tudo sobreEsportes
Saiba mais

Sofia Azevedo tinha apenas 7 anos quando começou a participar de um projeto social que oferecia aulas de jiu-jitsu em Belford Roxo, município da Baixada Fluminense (RJ). Hoje, prestes a completar 13 anos, a pré-adolescente já tem um currículo capaz de receber a atenção e os aplausos de muita gente grande. Seja em tatames nacionais ou internacionais, ela conquistou, em apenas seis anos, nada menos que 62 medalhas de ouro no jiu-jitsu e na luta livre.

Atual número 1 do ranking mundial IBJFF (infanto-juvenil, até 52 kg) e do ranking mundial grappling (médio, meio-pesado e pesado), Sofia é uma aluna inteligente e dedicada do 7º ano do ensino fundamental e que, nas poucas horas de lazer, gosta de praias, cachoeiras, viagens e passeios em shoppings. A carga de treinamentos é crescente, como exige a rotina de campeões. E crescente também tem sido a sua performance em embates cada vez mais difíceis.

Superação é, certamente, a palavra que melhor define o comportamento dessa jovem campeã que tem na mãe, Fernanda Damásio, e no padrasto, Ulisses Ferreira, dois grandes incentivadores. Desde a conquista de sua primeira vitória expressiva – no AJP Tour Rio de Janeiro, em 2020 – Sofia Azevedo tem se revelado uma joia rara num esporte que exige disciplina, treinamento intensivo, altas doses de foco e comprometimento. E, é claro, algo que ela tem demonstrado ter de sobra: talento.

Graduada com a faixa amarela, a jovem disputa a categoria infanto-juvenil (12 e 13 anos) para competidoras de até 52 kg (ela pesa 50 kg). Ela é atleta da equipe Gracie Barra/São João Del Rei (MG), para onde viaja a cada duas semanas para sessões de treinamentos intensivos. Mas, ainda hoje, Sofia segue treinando duas vezes por semana em um projeto social-esportivo que funciona na Praça PEC em Mesquita, município da Baixada Fluminense (RJ).

Portfólio invejável de medalhas de ouro

Quem conhece o esporte e acompanha de perto as principais competições de jiu-jitsu e luta livre, seja no Brasil ou no exterior, não tem dúvidas em apontar Sofia Azevedo como uma atleta “fora da curva”. De 2020 para cá, ela coleciona excelentes resultados em eventos como:

  • Mundial de Abu Dhabi (ouro em 2022) 
  • Sul-Americano IBJJF (ouro em 2022 e 2024) 
  • Mundial ADCC (ouro em 2023) 
  • Mundial Newbreed (ouro em 2023) 
  • Brasileiro CBJJ (ouro em 2022). 

Ela também tem medalha de prata no Campeonato Europeu (2023), disputado na Irlanda, e medalha de bronze no Pan-Americano Kids (2023), disputado em Orlando (EUA) – entre outras conquistas no Brasil e mundo afora.

Desistir não faz parte da rotina

Na busca por recursos financeiros que proporcionassem sua viagem para disputar duas importantes competições internacionais (o Pan Kids, nos EUA, e o Campeonato Europeu, na Irlanda), Sofia Azevedo não desanimou em 2023: arregaçou as mangas do quimono e foi vender doces na areia da praia da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. O dinheiro conquistado com os donuts voltaram ao Brasil em forma de uma medalha de prata e de uma medalha de bronze. Ela só não conseguiu dinheiro para disputar, no ano passado, o Mundial de Abu Dhabi, de onde trouxe o ouro em 2022.

Olho para trás e percebo o quanto evolui nos últimos anos. Isso não seria possível sem o apoio de tanta gente que agora está apostando no meu potencial, e acredita que ainda tenho muita coisa a conquistar”, diz Sofia, que sonha chegar ao UFC e criar um projeto social para atrair crianças e jovens ao esporte.

A lutadora conta hoje com o apoio de uma equipe formada por médico, fisioterapeuta, nutricionista, massoterapeuta, psicólogo, dentista e profissional de educação física, além de professores de jiu-jitsu e luta livre. Esse suporte à jovem atleta só é possível graças aos recursos financeiros que vêm sendo disponibilizados por apoiadores como a Secretaria de Esporte e Lazer do Estado do Rio de Janeiro; a madeireira Flaviense GMAD; e o empresário Francisco Soares Brandão, por intermédio de patrocínio oferecido pela Equipe Santo Antônio.

Amo o jiu-jitsu e a luta livre, e meu objetivo é continuar me dedicando muito aos treinamentos e seguindo os conselhos que recebo dos meus pais e da equipe que tem me acompanhado. Os bons resultados que venho alcançando me motivam ainda mais a lutar pelos meus sonhos. Ser esportista no Brasil não é fácil, mas desistir não faz parte da minha vida e da vida dos meus pais, diz Sofia Azevedo.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Acompanhe tudo sobre:EsportesJiu-Jitsu

Mais de Bússola

Gestão Sustentável: excesso de curto prazo quebra negócios e gera crises sistêmicas 

Bússola e Cia: uso da IA em fraude cresce no país

Apple? Microsoft? Não. Entenda como IA fez Nvidia garantir o posto de empresa mais valiosa do mundo 

3 passos para unificar a cultura organizacional após processos de fusão e aquisição

Mais na Exame