Um conteúdo Bússola

Cebri e Universidade Tsinghua ofertam curso em homenagem à Anna Jaguaribe

O programa é voltado para executivos e interessados em maior cooperação com o país asiático e terá foco nas mudanças econômicas e geopolíticas
 (Iwasaki Minoru/Getty Images)
(Iwasaki Minoru/Getty Images)
B
Bússola

Publicado em 09/09/2022 às 16:00.

Última atualização em 12/09/2022 às 13:55.

O Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), em parceria com Instituto de Estudos Brasil-China (Ibrach) e a Universidade Tsinghua de Pequim, oferecerá, nos dias 19, 21, 23 e 26 de setembro, o curso online China Hoje — Programa Anna Jaguaribe, em homenagem à socióloga que foi pioneira nos estudos Brasil-China e faleceu ano passado. O programa, com vagas limitadas, é voltado para executivos do setor público e privado, e demais interessados em oportunidades de negócios com o país asiático.

O curso China Hoje terá quatro aulas exclusivas, ministradas por renomados especialistas chineses, em inglês, sem tradução simultânea. Serão abordados os seguintes temas: Políticas de Inovação e o papel das grandes empresas de tecnologia e das estatais; Mudanças no Contexto Geopolítico; Políticas Macroeconômicas e Reformas Financeiras e A China e a Eurásia. Para acessar o programa completo e conhecer os palestrantes, clique aqui.

“Anna Jaguaribe tinha um conhecimento profundo da cultura e da filosofia chinesa. Suas reflexões foram inovadoras para uma melhor compreensão do papel da China como potência na atual geopolítica global e do sistema multilateral”, afirma o Presidente do Conselho Curador do Cebri, José Pio Borges.

O Brasil foi o sétimo país que mais vendeu para a China em 2021, posição que contribuiu para garantir superávit recorde na balança comercial brasileira no ano passado. Entretanto, apenas dez produtos foram responsáveis por 91,4% do valor total que o país exportou para a China nesse período. Os três produtos líderes da pauta — minério de ferro, soja e petróleo — somaram 80% do total que o Brasil vendeu ao país asiático.

Mesmo sendo o sétimo maior fornecedor aos chineses em 2021, o Brasil foi o líder na venda ao país asiático em apenas 48 produtos. O campeão nesse ranking foi o Japão, com 1.444 itens, seguido da Alemanha, com 856 produtos, e dos Estados Unidos, com 796. Especialistas acreditam que há potencial de maior cooperação e parcerias entre os dois países.

“O Curso China Hoje da Universidade Tsinghua se consagrou entre os que buscam ter uma visão profunda da realidade chinesa. É a escola de maior prestígio na China e possivelmente a de maior influência sobre políticas públicas, uma oportunidade única para compreender a economia chinesa e os novos desafios do cenário internacional”, afirma o embaixador Marcos Caramuru, que serviu na China.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Evento da Fundação Estudar contrata 1 em cada 4 participantes. Inscreva-se

Márcio Holland: acesso à educação é essencial para mudar cenário

Como a Gerdau busca bater recordes em ESG das indústrias mundiais