Acompanhe:

Márcio Holland: acesso à educação é essencial para mudar cenário

Economista sustenta que quanto maior for a capacidade de compreensão da população em relação ao tema, maiores serão as chances de alterar o sistema

Modo escuro

Continua após a publicidade
Mudança vem da base da sociedade (Dursun Aydemir/Anadolu Agency/Getty Images)

Mudança vem da base da sociedade (Dursun Aydemir/Anadolu Agency/Getty Images)

B
Bússola

Publicado em 7 de setembro de 2022 às, 22h00.

Por Bússola

Ao falar sobre a interferência da insegurança jurídica no desenvolvimento econômico das nações, o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Marcio Holland faz questão de ressaltar que a relação entre o funcionamento das instituições e o crescimento de um país é amplamente documentada internacionalmente. Tanto que um dos atuais candidatos ao Nobel de Economia, Daron Acemoglu, tem em sua bibliografia o livro “Por que as Nações Fracassam”, que se debruça sobre o tema, assim como o já ganhador do prêmio Douglass North (1993).

Holland é o segundo convidado da Bússola dentro da série de entrevistas com grandes nomes do mercado e da academia sobre insegurança jurídica e seu impacto no desenvolvimento econômico e na atração de investimentos para o Brasil, além de sua influência na tomada de decisão das companhias aqui instaladas.

“Não é uma ligação vazia, há vasta literatura detalhando a relação estado x empresas. Quando falamos em incertezas jurídicas, estamos dizendo que as instituições não estão ajudando no desenvolvimento do país”, declara o economista. Ele pontua ainda que, no Brasil, o crescimento econômico sempre esteve calcado na participação do estado e que, desde a década 80, o país não conseguiu encontrar um outro vetor para este desenvolvimento e sempre esteve à mercê da movimentação internacional, como nos anos 2000, com o boom das commodities. “O Brasil perdeu o glamour do crescimento, em parte por não ter encontrado este novo modelo. O resultado é a volatilidade do ritmo de ascensão, variando entre 2,5%, 1%, 0,5%, sem uma tendência clara”, diz.

O economista aponta incertezas institucionais, como as constantes alterações tributárias, as normas de licenciamento, a extensão do processo burocrático — multiplicado pelas três esferas governamentais (municipal, estadual e federal) —, como alguns dos agravantes que contam negativamente para o Brasil no quesito atração de novos investimentos. “Se falarmos de infraestrutura, uma estrada pode ter autorização do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), mas estar em desacordo com alguma normal de uma prefeitura, por exemplo”, afirma.

Como exemplo da questão tributária, ele cita o julgamento da apelidada Tese do Século, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu pela exclusão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo da contribuição para o Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Questionado se a decisão fosse contrária, ele listou efeitos que poderiam ser catastróficos para empresas e que reforçariam a propensão de multinacionais a saírem do país.

“De cara, companhias teriam que provisionar os valores devidos, cancelar distribuição de dividendos — o que geraria queda dos papéis na bolsa e consequente redução do valor de mercado dessas empresas. Para pagar o ‘devido’ e seguir funcionando, teriam ainda que captar investimento neste cenário negativo. Ou seja, sair do Brasil seria um movimento natural”, diz.

Ele esclarece que o dano poderia ter sido para qualquer dos lados, mas que tem origem nesta incerteza jurídica, levando as empresas a não saberem o que fazer e optarem por não recolher imposto sobre imposto. E frisa ainda que o ICM existe desde a década de 60; a PIS/Cofins, desde 1988, mas a questão só foi pacificada agora.

Law Enforcement e educação

Holland explica que, em um país que tem esse cenário montado e cuja população não tem por hábito seguir fielmente o que diz a lei (Law Enforcement), a solução mais provável é ampliar o acesso à educação. “Se você não consegue mudar as coisas de cima para baixo, com poder público cumprindo e fazendo cumprir as regras, o único caminho viável é o inverso: dar acesso à educação para criar cidadãos conscientes que serão políticos e agentes públicos resguardadores das leis”, diz.

Quanto maior for a capacidade de compreensão da população em relação ao tema, maiores serão as chances de alterar o sistema vigente. “Essa mudança vem da base. Não adianta criar leis boas se elas não forem cumpridas. Isso vale para empresas e para a população: se não há um ambiente de rule of law (devido processo legal para todos), não haverá adesão”. Como exemplo, a Lei das Estatais, que para Holland foi bem construída, mas vem esbarrando na atuação do próprio governo federal. “Veja as recentes indicações para a presidência e conselho da Petrobras…”, afirma.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

O novo sempre vem: dinâmicas da inovação e integração ao nosso dia a dia

Segundo turno é uma nova eleição? E o papel da mobilização

AES Brasil economiza R$ 6,5 milhões com solução fiscal da Solutio

Últimas Notícias

Ver mais
Defesa do X, rede de Musk, afirma ao STF que não pode garantir cumprimento de decisões judiciais
Brasil

Defesa do X, rede de Musk, afirma ao STF que não pode garantir cumprimento de decisões judiciais

Há 3 dias

Em decisão histórica, Tribunal condena Suíça por responsabilidade climática
ESG

Em decisão histórica, Tribunal condena Suíça por responsabilidade climática

Há 4 dias

Governo sanciona nova lei que favorece réu em caso de empate nos julgamentos em matéria penal
Brasil

Governo sanciona nova lei que favorece réu em caso de empate nos julgamentos em matéria penal

Há 4 dias

Sicredi destina R$ 51 bilhões para a economia verde em 2023
ESG

Sicredi destina R$ 51 bilhões para a economia verde em 2023

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais