A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Além de ESG, outra sigla precisa virar mantra nas empresas: ODS

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável têm tudo a ver com ESG e vice-versa, mas não conquistam os holofotes; veja como engajar sua empresa

Por Renato Krausz*

Do jeito que as coisas vão, você consegue imaginar um mundo daqui a nove anos sem fome nem pobreza, com água potável e educação de qualidade para todos, onde o amanhecer é lindo e homens e mulheres têm oportunidades iguais, tudo isso sob uma égide de justiça e paz e uma atmosfera capaz de impedir o aquecimento global? Não consegue? Nem eu.

Tirando esse negócio de “lá nesse lugar o amanhecer é lindo”, que peguei da música do Roberto, todo o resto está estipulado pelos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que definimos em 2015 para atingi-los em 2030 como forma de tirar a Terra da rota do cataclismo.

Desde então, não faltam alertas de que estamos indo mal na empreitada. No Brasil, o Relatório Luz 2021, elaborado por 106 especialistas de 60 organizações, constatou que mais de 80% das 169 metas dos 17 ODS estão estagnadas, em retrocesso ou ameaçadas. E, no resto do mundo, o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) revelou que o planeta está fervendo.

A própria ONU, que criou a Agenda 2030 com seus 193 Estados-membros, reconheceu que o caminho para chegar lá está cheio de percalços. Diante disso, no ano passado, o Pacto Global lançou o documento “Liderança para a Década da Ação”, com intuito de engajar as empresas com mais afinco nessa luta.

Nas reuniões corporativas de hoje, para cada dez menções ao ESG feitas no Zoom e no Teams, existe só uma para os ODS — isso é um chute meu, mas com um fundamento danado, até porque eu passei a morar no Zoom e no Teams.

As duas siglas, ESG e ODS, têm tudo a ver entre si, mas não são a mesma coisa. Vou cometer uma redução simplista, mas a diferença no entusiasmo com uma e outra talvez esteja no fato de que o ESG tem a ver com o dinheiro que entra, e os ODS, com o que sai. Ah, esqueçam isso. Vou reformular: o ESG está ligado aos stakeholders, e os ODS, ao interesse público. Mas ambos deveriam estar na agenda de prioridades das companhias.

O Pacto criou também um projeto mundial chamado Ambição pelos ODS, por meio do qual ajuda empresas a definir metas ambiciosas e a atingi-las. As inscrições para a segunda edição estão abertas até o dia 30 de setembro. O programa dura sete meses, e as companhias saem de um jeito bem diferente de quando entraram. Elas passam a ter prioridades definidas, pilares de atuação e métricas para medir seu desempenho.

A primeira edição ocorreu entre dezembro do ano passado e junho último. Participaram 650 empresas, de 65 países. Juntas, elas somam 1 trilhão de dólares em receita anual e empregam 7,9 milhões de pessoas. A grande maioria (79%) disse que o programa ajudou bastante a encontrar novas maneiras de contribuir com os ODS.

No Brasil, foram 22 empresas, entre elas Energisa, Votorantim e MRV. Ao final, seis delas estabeleceram metas ambiciosas alinhadas ao ODS 5 – igualdade de gênero. Outras seis, ao ODS 13 – ação contra a mudança global do clima. Cinco companhias abraçaram o ODS 6 – água potável e saneamento –, duas investiram no ODS 16 – paz, justiça e instituições eficazes – e uma mirou no 8 – trabalho decente e crescimento econômico.

Essas empresas estão de parabéns. Mas são só 22 num universo de 1.200 que fazem parte da Rede Brasil do Pacto Global. Então vale a pena repetir o que foi dito antes: as inscrições para a segunda edição do projeto Ambição pelos ODS vão até o final do mês. E não esqueçamos que 2030 está logo ali.

*Renato Krausz é sócio-diretor da Loures Comunicação

**Este é um conteúdo da Bússola, parceria entre a FSB Comunicação e a EXAME. O texto não reflete necessariamente a opinião da EXAME.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também