Transferência de patrimônio não foi ilegal, diz advogado

Segundo o MPF, a prisão preventiva foi cumprida porque há indícios de que ele continuava a praticar crimes e a transferir bens a seus familiares

Rio de Janeiro - A tentativa do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró de transferir bens para seus filhos não é ilegal, disse hoje (14) seu advogado, Edson Ribeiro, em entrevista à Agência Brasil. Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras, foi denunciado por corrupção na estatal e foi preso de madrugada pela Polícia Federal, ao voltar de uma viagem a Londres.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a prisão preventiva foi cumprida porque há indícios de que ele continuava a praticar crimes e a transferir bens a seus familiares.

Ainda de acordo com o MPF, o executivo tentou transferir R$ 500 mil para sua filha, além de imóveis adquiridos com recursos de origem duvidosa, a preços abaixo do mercado.

“Não houve crime. Quando ele fez essa transferência do patrimônio para os filhos, não existia nenhuma restrição administrativa ou judicial”, disse o advogado.

De acordo com Ribeiro, a prisão de seu cliente causou estranheza. “Desde 1º de abril, coloquei o Nestor Cerveró à disposição tanto do Ministério Público quanto da Polícia Federal e nenhum dos dois órgãos se interessou em ouvi-lo.

Até ontem, ninguém o havia procurado. Além disso, quando ele foi para a Inglaterra, eu comuniquei ao Ministério Público e à Polícia Federal que ele estava viajando e que voltaria em janeiro. Deixei, inclusive, o endereço onde ele estava.”

O advogado disse que Cerveró deveria receber, na próxima sexta-feira (16), uma citação para depor como testemunha ao Ministério Público.

“Ele já tinha marcado um depoimento no Ministério Público do Rio de Janeiro para falar sobre o vazamento de informações da CPMI [Comissão Parlamentar Mista de Inquérito] da Petrobras. Então, não dá para entender o motivo dessa prisão preventiva.”

Ribeiro disse que deve ir ainda nesta quarta-feira a Curitiba, para onde Cerveró foi levado, com o objetivo de “entender a motivação” do mandado de prisão preventiva. “Em seguida, vou a Porto Alegre [ao Tribunal Regional Federal] tentar um habeas corpus”, disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.