• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Soro anticovid não é tratamento precoce. Entenda

Além da vacina, o Instituto Butantan desenvolve um soro capaz de acelerar o processo de recuperação de pessoas com a covid-19
 (Getty Images/Yuichiro Chino)
(Getty Images/Yuichiro Chino)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 27/03/2021 08:15 | Última atualização em 25/05/2021 16:27Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Na semana passada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou os testes em seres humanos do soro contra a covid-19, desenvolvido pelo Instituto Butantan. O estudo vai avaliar se ele é seguro no tratamento do coronavírus. Indicado apenas para pessoas que foram infectadas, não se trata de um tratamento precoce, vacina ou mesmo de uma cura da doença. 

O soro é produzido com anticorpos contra o coronavírus que são retirados do plasma de cavalos que tiveram contato com o vírus. Diferentemente de uma vacina, que age de forma preventiva, ou seja, antes das pessoas se infectarem, o soro funciona em quem está doente, como explica a doutora em microbiologia e presidente do Instituto Questão de Ciência, Natália Pasternak.

“Ele ajuda o corpo a combater a doença com anticorpos, que podem ser produzidos em outros seres humanos ou em animais, como cavalos por exemplo. E você vai receber os anticorpos prontos. Então além daqueles que você mesmo gera, vai receber um pouquinho mais”, detalha Pasternak.

O médico José Rocha Faria Neto, professor do Centro de Epidemiologia e Pesquisa Clínica da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), diz que o ideal é que o soro seja administrado entre 48 e 72 horas após os primeiros sintomas da covid-19.

“Este tratamento é similar ao que foi usado com o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Ele usou o medicamento chamado Regeneron que contém anticorpos contra a covid-19”, explica o médico. Em janeiro, o laboratório divulgou que o remédio conseguiu reduzir em 100% as infecções sintomáticas e diminuiu em até 50% as taxas totais de transmissão da doença. Isso só foi possível porque ele reduz a carga viral da pessoa infectada.

José Rocha Faria Neto ainda explica que o soro é mais indicado para pessoas com um potencial agravamento da covid-19, como os idosos. Além disso, o médico precisa administrar outros medicamentos para ajudar o próprio corpo a combater a infecção. Os mais comuns são anti-inflamatórios, corticoides e, em casos mais graves, anticoagulantes. 

A cientista Natália Pasternak lembra também que o soro não é um tratamento precoce porque só é capaz de ajudar o sistema imunológico a combater o coronavírus de quem está infectado. A própria Anvisa já disse em diversos momentos que atualmente não há medicamentos capazes de impedir a contaminação pelo coronavírus.

“É uma ajuda para o seu sistema imune que não está conseguindo dar conta sozinho. Os outros medicamentos que são administrados nos hospitais também auxiliam, mas não resolvem a doença, e principalmente não acabam com a pandemia. O soro trata apenas o indivíduo”, diz.

Além do soro, o Butantan também desenvolve uma rede para distribuir plasma, obtido a partir do sangue de pessoas que tiveram a covid-19, para tratamento de pacientes com a doença. A ideia é basicamente a mesma, a diferença é que os anticorpos são coletados de seres humanos que foram infectados. Neste momento, a instituição ligada ao governo paulista está recrutando pessoas que possam doar o plasma.

“O objetivo do plasma é transferir ao paciente anticorpos de maneira passiva, até que o organismo afetado tenha tempo de reagir e montar a sua resposta imune. Trata-se de uma vacina instantânea, uma forma de tratamento que pode ser usada em meio à pandemia”, explicou Dimas Covas, diretor do Butantan, em entrevista coletiva na sexta-feira, 26.