Risco político no Brasil é maior que na Rússia e na China, diz consultoria

A realização de eleições no atual cenário político brasileiro trouxe um quadro temporário de instabilidade, segundo a Marsh

São Paulo — O risco político de curto prazo no Brasil está maior do que o de países como China, Rússia, Índia, Arábia Saudita e Botswana, segundo o mapa de riscos de 2018 montado pela consultoria Marsh em parceria com a BMI Research.

A proximidade das eleições presidenciais no Brasil é a principal justificativa para o agravamento do risco de curto prazo, segundo a consultoria.

Para calcular o risco político, é atribuída a cada um dos 200 países pesquisados uma nota de 0 a 100. Quanto mais próxima de 100 a pontuação, menor o risco político. Quanto mais baixa, portanto, maior é o risco.

A do Brasil está em 57,5, enquanto a da Rússia é de 66,5, e a da China, de 80,2. Notas abaixo de 60 já indicam certa instabilidade.

Para determinar essa pontuação, o relatório leva em consideração a capacidade do governo de propor e implementar políticas, estabilidade social, ameaças imediatas à capacidade do governo de governar, os riscos de um golpe, entre outras variáveis.

Quanto mais alto o risco político, pior é para uma empresa estrangeira investir no país. já que não há segurança sobre as ações governamentais nem sobre as reações da sociedade num geral.

Na América Latina, só o Peru está melhor que o Brasil, com pontuação de 59,6. A Venezuela, que enfrenta uma grave crise política e econômica, tem nota de 30,6.

Os países com as melhores pontuações no ranking são Noruega (96,7), Suíça (92,9) e Canadá (92,7).

A estabilidade dos Estados Unidos está um pouco em xeque devido ao estilo de governo de Donald Trump, que precisa enfrentar situações de tensão com a Coreia do Norte e decidiu comprar uma briga comercial com a China.

Na Europa, África e Ásia, a maior preocupação para investidores e atores estrangeiros é a possibilidade de atentados terroristas.

Índice geral

Além do risco político, a Marsh ainda avalia o risco operacional e o risco econômico para criar um índice amplo e geral para os países analisados.

Somando todos os critérios, a pontuação geral do Brasil cai: com risco operacional de 48,5, risco econômico de 55,6 e risco político de 57,5, o score final do país fica em 56,9.

Rússia e China também se saem melhor nessa comparação, com, respectivamente, 61,2 e 68,7 de risco.

Entre nossos vizinhos da América Latina, estamos pior que México, Peru, Colômbia, Chile, Equador e Panamá, mas à frente de outros países, como Cuba e Argentina.

O mapa completo de risco dos países está disponível no site da Marsh.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.