Acompanhe:

Número de mortes violentas no Brasil cai 2,4% em 2022 e atinge menor patamar de série histórica

A taxa de mortalidade ficou em 23,4 por grupo de 100 mil habitantes. Com o resultado, o país atingiu o patamar mais baixo desde 2011, primeiro ano da série histórica monitorada pelo fórum

Modo escuro

Continua após a publicidade
Violência: mortes tiveram queda no último ano (Mongkol Nitirojsakul / EyeEm/Getty Images)

Violência: mortes tiveram queda no último ano (Mongkol Nitirojsakul / EyeEm/Getty Images)

O Brasil teve queda de 2,4% no número de mortes violentas em 2022, segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgadas nesta quinta-feira, 20, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Foram 47,5 mil mortes no ano passado contra 48,4 mil em 2021.

    A taxa de mortalidade ficou em 23,4 por grupo de 100 mil habitantes. Com o resultado, o país atingiu o patamar mais baixo desde 2011, primeiro ano da série histórica monitorada pelo fórum.

    Os dados se baseiam em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da área da segurança pública. O Anuário é realizado desde 2007 e passou a fazer a série de homicídios a partir de 2011. A publicação é considerada uma importante ferramenta para a transparência e a prestação de contas na área.

    Especial retrato da violência no Brasil

    Qual o estado mais violento do Brasil?

    O estado mais violento do país em 2022 foi o Amapá, com taxa de mortes violentas de 50,6 por 100 mil habitantes - mais do que o dobro da média nacional. O segundo estado mais letal foi a Bahia, com taxa de 47,1 por 100 mil habitantes. Na terceira posição, está o Amazonas, com taxa de 38,8 por 100 mil habitantes.

    No outro extremo, as unidades da federação com as menores taxas de violência letal foram:

    • São Paulo, com 8,4 mortes por 100 mil habitantes,
    • Santa Catarina, com 9,1 por 100 mil
    • Distrito Federal, com taxa de 11,3.

    Ao todo, 20 estados registraram taxas de mortes violentas acima da média nacional.

    As armas de fogo seguem como o principal instrumento utilizado para matar no Brasil.Segundo o documento, 76,5% dos homicídios foram praticados com uso de revólver. Para além das armas, 37,1% das mortes derivadas de lesões corporais foram provocadas por agressões, enforcamentos e sufocamentos.

    O que o anuário mostra sobre a violência no Brasil?

    • Houve 47.508 mortes violentas em 2022, uma queda de 2,4% em relação a 2021, quando foram registrados 48.431 assassinatos;
    • As regiões Sul e Centro-Oeste foram as únicas que apresentaram alta de mortes violentas no período;
    • Amapá tem a maior taxa do país, com 50,6 mortes por 100 mil habitantes;
    • Acre e Amapá foram os estados com maiores aumentos entre 2021 e 2022, 21% e 18,9%, respectivamente.

    O que explica a queda da violência no Brasil?

    O Anuário destaca a explosão da violência no país em 2017, quando as maiores facções criminosas do Brasil entraram em conflito e foram registradas 64 mil mortes violentas.

    Desde 2018, porém, há uma tendência de queda - que continua até hoje. Fatores como mudanças demográficas, a criação do Sistema Único de Segurança Pública e a mudança no comportamento do crime organizado são alguns dos principais pontos para explicar os números.

    Segundo Samira Bueno e Renato Sérgio de Lima, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a queda no levantamento de 2022 é positiva e precisa ser "realçada". Os desafios, porém, seguem, e a sociedade brasileira não pode ser "induzida a acreditar na ideia de que o país resolveu seu dilema civilizatório e agora é uma nação mais segura".

    Violência na Amazônia Legal

    A região da Amazônia Legal -- que agrega Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima, e a Amazônia Oriental, composta, por exclusão, pelos Estados do Pará, Maranhão, Amapá, Tocantins e Mato Grosso --  tem sofrido com o aumento da violência. Considerada estratégica pelo crime organizado pela proximidade com os principais produtores de cocaína do mundo (Bolívia, Peru e Colômbia) e com uma área de difícil fiscalização, a região passou a ser disputada por diferentes grupos criminosos.

    Dois fatores podem explicar o crescimento da violência letal na região da Amazônia Legal, segundo os pesquisadores:

    • A intensa presença de facções do crime organizado e de disputas entre elas pelas rotas nacionais e transnacionais de drogas que cruzam a região;
    • O avanço do desmatamento, garimpos ilegais e a intensificação de conflitos fundiários, que resulta também no crescimento da violência letal.

    Leia também:

      Créditos

      Últimas Notícias

      Ver mais
      STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física
      Brasil

      STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física

      Há 3 dias

      Jogador leva chicotada após perder final para time de Neymar e Jesus; veja vídeo
      Esporte

      Jogador leva chicotada após perder final para time de Neymar e Jesus; veja vídeo

      Há 3 dias

      Presidência do Equador declara prisões como 'zonas de segurança'
      Mundo

      Presidência do Equador declara prisões como 'zonas de segurança'

      Há 6 dias

      Justiça de NY concede liberdade condicional a Jonathan Majors, após condenação por agressão
      Pop

      Justiça de NY concede liberdade condicional a Jonathan Majors, após condenação por agressão

      Há 6 dias

      Continua após a publicidade
      icon

      Branded contents

      Ver mais

      Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

      Exame.com

      Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

      Leia mais