Revista Exame

4 gráficos para entender como a população mundial vai estar em 2100

A transição demográfica mundial está em curso — e com mais velocidade do que se imaginava. O efeito na economia global será superlativo, especialmente nos sistemas previdenciários

População: Índia passou a China e é o país mais populoso do mundo. (ivetavaicule/Getty Images)

População: Índia passou a China e é o país mais populoso do mundo. (ivetavaicule/Getty Images)

Gilson Garrett Jr.
Gilson Garrett Jr.

Repórter de Lifestyle

Publicado em 28 de julho de 2023 às 06h00.

Última atualização em 29 de julho de 2023 às 06h19.

O Censo 2022, divulgado no fim de junho, mostrou que a população do Brasil cresceu menos na última década do que o previsto pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A diferença entre projeção e realidade surpreendeu: 4,7 milhões de brasileiros a menos. O ritmo de crescimento populacional, estimado em 1,17% ao ano, foi na verdade de 0,52% nos últimos dez anos.

A desaceleração não é uma exclusividade brasileira. A China entrou na era do crescimento negativo no ano passado, algo que era esperado somente em 2025, segundo dados do governo chinês. Em abril deste ano, a Índia se tornou o país mais populoso do mundo, com 1,428 bilhão de habitantes, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU). Projeta-se que o encolhimento da população mundial começará a partir de 2088.

Mas, antes de diminuir, vamos envelhecer — e rapidamente. Segundo a ONU, a Europa deve enfrentar antes de 2050 uma inversão da pirâmide etária, com mais idosos que jovens, enquanto a África sentirá o fenômeno somente no fim do século. Um planeta mais velho vai afetar drasticamente a maneira como a economia mundial funciona, alterando até mesmo os padrões de consumo — mais fraldas geriátricas vendidas do que infantis, por exemplo — e pressionando os sistemas previdenciários. A seguir, quatro gráficos que mostram o que nos espera até 2100.

Crescimento e declínio da população mundial

(Arte/Exame)

Pirâmide etária perde formato

(Arte/Exame)

Mais idoso no mundo

(Arte)

Problemas econômicos

(Arte/Exame)


Acompanhe tudo sobre:Revista EXAMEEdição 1253

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

O "zap" mundo afora: empresa que automatiza mensagens em apps avança com aquisições fora do Brasil

Mais na Exame