Brasil

As 50 cidades mais violentas do Brasil, segundo o anuário de segurança pública

Os dados se baseiam em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da área da segurança pública

 (Diego Vara/Reuters)

(Diego Vara/Reuters)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 20 de julho de 2023 às 10h01.

Última atualização em 20 de julho de 2023 às 11h53.

O estado da Bahia tem seis cidades entre as dez mais violentas do país, é o que aponta o Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgado nesta quinta-feira, 20, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados se baseiam em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da área da segurança pública. O Anuário é realizado desde 2007 e passou a fazer a série de homicídios a partir de 2011. A publicação é considerada uma importante ferramenta para a transparência e a prestação de contas na área.

O município mais violento do Brasil é Jequié, que fica no interior do estado da Bahia, e tem mais de 156 mil habitantes. Os dados mostram que a cidade tem uma taxa de mortes violentas de 88,8 por 100 mil habitantes - mais do que o dobro da média nacional. Santo Antônio de Jesus, considerada a capital do recôncavo baiano, está na segunda posição com 88,3 mortes violentas por 100 mil habitantes. 

As cidades mais violentos do Brasil

Estado mais violento do Brasil

Apesar de ser o estado com mais cidades entre as dez mais violentas, a Bahia é apenas o segundo mais letal do Brasil. O Amapá, com taxa de mortes violentas de 50,6 por 100 mil habitantes é o mais violento do país.

As armas de fogo seguem como o principal instrumento utilizado para matar no Brasil.Segundo o documento, 76,5% dos homicídios foram praticados com uso de revólver. Para além das armas, 37,1% das mortes derivadas de lesões corporais foram provocadas por agressões, enforcamentos e sufocamentos.

Acompanhe tudo sobre:Mortescidades-brasileiras

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame