Brasil

Ministro da Justiça aparece em grampo da Operação Carne Fraca

Na conversa interceptada, o ministro chama o fiscal apontado como líder de esquema de “grande chefe” e questiona sobre problemas em um frigorífico no PR

Deputado federal Osmar Serraglio em 10/05/2016 (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Deputado federal Osmar Serraglio em 10/05/2016 (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Talita Abrantes

Talita Abrantes

Publicado em 17 de março de 2017 às 11h04.

Última atualização em 17 de março de 2017 às 18h17.

São Paulo – O ministro da Justiça, Osmar Serraglio, aparece em grampo telefônico capturado pela Polícia Federal durante as investigações da Operação Carne Fraca, que desde o início da manhã desta sexta-feira (17) mira um esquema de pagamento de propina de grandes frigoríficos a fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Na conversa interceptada, Serraglio, que assumiu o ministério da Justiça neste mês, conversa com Daniel Gonçalves Filho, superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná entre 2007 e 2016 e apontado pelos investigadores da Operação Carne Fraca como o “líder da organização criminosa”.

De acordo com a decisão que embasa a operação de hoje, no diálogo, o hoje ministro chama Gonçalves de “o grande chefe” e o informa sobre problemas que um frigorífico de Iporã, cidade no noroeste do Paraná, estaria tendo com a fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ele se refere ao frigorífico Larissa. Veja o trecho da conversa revelado pela PF:

"OSMAR: Grande chefe, tudo bom?

DANIEL: Tudo bom.

OSMAR: Viu, tá tendo um problema lá em Iporã, cê tá sabendo?

DANIEL: Não.

OSMAR: O cara lá, que  ... o cara que tá fiscalizando lá ... apavorou o Paulo lá, disse que hoje vai fechar aquele frigorífico .. botô a boca ... deixou o Paulo apavorado! Mas para fechar tem o rito, num tem? Como que funciona um negócio desse?

DANIEL: Deixa eu ver o que tá acontecendo .. tomar pé da situação lá, tá? ... falo com o senhor."

Gonçalves, então, liga para Maria do Rocio Nascimento, chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura no Paraná, e conta “que o fiscal de Iporã quer fechar o frigorífico Larissa e pede que ela averigue o que está acontecendo”.

Maria afirma que não há nada de errado com o frigorífico. A informação é, então, repassada ao ministro.

De acordo com o delegado Mauricio Moscardi Grillo, as ligações do ministro da Justiça foram tratadas na operação com contexto separado e foram encaminhadas para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Naquele momento, não houve ato errado que pudesse ser concluído no contato de Serraglio com uma pessoa investigada”, disse o delegado. “Não conseguimos concluir se houve interferência de Serraglio no esquema.”

Com a palavra, o ministro

Em nota, o ministro da Justiça afirmou que a operação é um exemplo “cabal” de que respeita a autonomia da PF e que soube da citação de seu nome na investigação “como um cidadão comum”.

“Se havia alguma dúvida de que o ministro Osmar Serraglio, ao assumir o cargo, interferiria de alguma forma na autonomia do trabalho da Polícia Federal, esse é um exemplo cabal que fala por si só”, diz a nota.

“A conclusão tanto pelo Ministério Público Federal quanto pelo juiz federal é a de que não há qualquer indício de ilegalidade nessa conversa degravada”, acrescenta a nota.

Operação Carne Fraca

A operação Carne Fraca investiga fraudes em fiscalizações do Ministério da Agricultura com um esquema de pagamento de propina, envolvendo duas das maiores companhias globais da indústria de carnes, a JBS e a BRF.

Segundo os investigadores, os frigoríficos pagavam propinas a fiscais para que fizessem vista grossa a irregularidades. Esta é a maior operação da história da Polícia Federal. No total, mais de 1,1 mil policiais participam das investigações.

Acompanhe tudo sobre:FrigoríficosGoverno TemerOperação Carne FracaOsmar Serraglio

Mais de Brasil

Boulos quer câmeras corporais em agentes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo

Conselho proíbe internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas

Casas de apostas terão que comunicar operações suspeitas ao Coaf e classificar risco de apostadores

Lula assina decreto reajustando Bolsa Atleta em 10,86%

Mais na Exame