Greve dos caminhoneiros ganha adesão de petroleiros e preocupa governo

Com repercussão negativa de aumento do diesel e mais demonstrações de apoio à paralisação, marcada para segunda, dia 1º, acendem luz vermelha no Palácio do Planalto

O jogo mudou. Com a insatisfação gerada pelo aumento do diesel, que subiu 4,4% nas refinarias nesta terça e gerou novas adesões à greve dos caminhoneiros, programada para o dia 1º, o governo passou a tratar o movimento como algo mais palpável. Até então, os comentários dos bastidores eram de que associações com pouca representatividade tentavam fazer barulho nas redes sociais para arregimentar apoio à paralisação, sem muito sucesso.

A vida está mais complexa, a rotina mais intensa, mas a EXAME Academy pode ajudar a manter a mente em foco

Nesta quarta, o governo mudou de tom. O presidente Jair Bolsonaro fez um apelo para que os caminhoneiros desistam da ideia da greve. Em troca, prometeu fazer o possível para reduzir a cobrança do PIS/Cofins sobre o diesel. “Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia, apelamos para eles que não façam greve, que todos nós vamos perder”, pediu.

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), que representa sete federações e 140 sindicatos de caminhoneiros, revelou surpresa diante do aumento no preço do combustível.

“Aconteceu em um momento inoportuno”, diz Marlon Maues, assessor-executivo da CNTA. A associação, que vem conversando com o governo sobre as principais pautas da categoria, diz não apoiar a greve. “As negociações estão caminhando. Uma paralisação agora só prejudicaria a categoria e travaria o país em meio ao agravamento da pandemia”, avalia Maues.

Entidades um pouco menores, como a Associação Nacional do Transporte Autônomo do Brasil (ANTB), com 40.000 afiliados, avaliam que o movimento vem ganhando repercussão — e por motivos bem concretos. José Roberto Stringasci, presidente da associação, diz que a tabela do frete mínimo, uma das principais demandas da categoria, não é respeitada pelas transportadoras e as negociações com o governo não avançaram.

"As empresas não são obrigadas a cumprir o preço mínimo por que isso até hoje não virou lei", afirma. "Representantes de alguns setores, como o agronegócio, entraram com recurso no Supremo Tribunal Federal e a ação ficou parada".

As demandas dos caminhoneiros passaram a encontrar eco em outros segmentos. A greve agora conta com o apoio da Federação Única dos Petroleiros (FUP), considerada a maior entidade representativa dos petroleiros, com 13 sindicatos afiliados, e Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipreto-RJ), outro peso-pesado do setor.

 

 

 

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.