Queiroga manteve distribuição de cloroquina para municípios

Entre o fim de março e abril foram entregues 127,5 mil comprimidos a dois municípios do interior de São Paulo. Na CPI da Covid, ministro da Saúde negou remessas

Na direção oposta do que afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, à CPI da Covid na semana passada, a atual gestão da pasta seguiu distribuindo para a rede pública hidroxicloroquina como política de combate ao coronavírus — o remédio é ineficaz para tratar a doença. Entre o fim de março e abril, após a posse de Queiroga, foram entregues 127,5 mil comprimidos a dois municípios do interior de São Paulo.

Questionado por senadores, o ministro disse que não havia autorizado e que desconhecia remessas recentes dos medicamentos — ele deverá ser convocado novamente para dar mais explicações. A ineficácia do remédio foi reiterada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em março.

Segundo a plataforma Localiza SUS, atualizada pelo Ministério da Saúde, a pasta enviou 27,7 mil comprimidos a Limeira (SP) no dia 30 de março, uma semana após a posse de Queiroga. No dia 27 de abril, foram enviadas 100 mil cápsulas para Presidente Prudente (SP). O medicamento, uma versão da cloroquina, está no rol de substâncias citadas pelo presidente Jair Bolsonaro no que chama de “tratamento precoce” da Covid-19, que já foi desaconselhado por especialistas.

Desde o ano passado, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) diz que estudos randomizados não apontaram benefício desses medicamentos e, em alguns casos, constataram “efeitos colaterais”. Em março, a OMS alertou que a hidroxicloroquina aumenta o risco de efeitos adversos em caso de infecção decorrente do coronavírus.

O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.