Empresários e economistas articulam ações para impulsionar Simone Tebet

Além de manifestos com o aval à candidatura, a estratégia envolve torná-la mais conhecida em todo o Brasil, bem como suas ideias e propostas
 (Waldemir Barreto/Agência Senado/Agência Senado)
(Waldemir Barreto/Agência Senado/Agência Senado)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 26/05/2022 17:31 | Última atualização em 27/05/2022 13:49Tempo de Leitura: 7 min de leitura

Com o nome de Simone Tebet (MDB-MS) praticamente definido como alternativa da terceira via, um grupo de empresários, executivos e intelectuais articula ações para impulsionar a senadora na corrida presidencial. Além de manifestos com o aval à candidatura, a estratégia envolve torná-la mais conhecida em todo o Brasil, bem como suas ideias e propostas.

Fique pode dentro de tudo das Eleições 2022 e veja as pesquisas eleitorais EXAME

"Cada um luta com as armas que tem e as nossas são transferir e debater ideias e colocá-las em discussão profunda", disse o economista Affonso Celso Pastore. "A intenção é tentar conquistar corações e mentes para a demanda de um grupo da sociedade que não se sente representado nem por Lula nem por Bolsonaro", afirmou o economista, que foi conselheiro econômico do ex-pré-candidato Sergio Moro (União Brasil).

Descontentes com a polarização protagonizada pelos líderes nas pesquisas de intenção de voto, o grupo partiu para o apoio explícito a Simone. A economista e escritora Eliana Cardoso disse que o que a levou a apoiar Simone foi "o amor pelo Brasil e a convicção de que precisamos de presidente capaz de unir o País em torno de um projeto de inclusão social".

"Simone Tebet já se mostrou liderança enérgica e pacificadora, dotada de credibilidade, de experiência na gestão pública e no Parlamento, atenta e sensível às demandas da população e à defesa do meio ambiente", afirmou Eliana, em entrevista por escrito.

LEIA TAMBÉM: Tebet se diz "honrada com missão" após ser confirmada como pré-candidata

Manifesto de apoio

O manifesto de apoio a Simone, tornado público na terça-feira, 24, pela Coluna do Estadão, nasceu após um encontro realizado há três semanas com cerca de 300 pessoas, com a presença da senadora. Atualmente com quase 4 mil assinaturas, o documento foi criado na plataforma Change por Teresa Bracher, mulher do ex-presidente do Itaú Unibanco Candido Bracher, e procurou juntar um grupo plural.

Entre os signatários do manifesto, há lideranças de entidades sociais, do mundo das artes, indígenas, além, é claro, de empresários e executivos. "Sentimos que é um movimento que vem crescendo", afirmou Fábio Barbosa, sócio da Gávea Investimentos, um dos organizadores do evento.

Em janeiro de 2021, ele começou a fazer parte de um grupo batizado de "2022". Ao lado de outros dez executivos e empresários de primeira linha, discutiam como se mobilizar em torno de um candidato à eleição presidencial que fugisse da polarização de 2018 e que, anteviam, se repetiria. "O que anima o pessoal é que agora conseguimos chegar a um nome e que dá para trabalhar em torno na 'personificação': agora temos uma 'cara' do candidato, com qualidades e programa de governo", disse.

Além de não se sentirem representados na polarização, os apoiadores de Simone dizem que a disputa está sendo traçada com estratégias populistas, sem qualquer debate de propostas e planos de governo. "São dois extremos na disputa, que não têm programa econômico, de desenvolvimento, inclusão social ou de aumento de eficiência do País", disse Pastore.

LEIA TAMBÉM: TSE aprova a primeira federação partidária, formada por PT, PCdoB e PV

Dificuldades

Todos têm plena consciência de que fazer decolar a candidatura de Simone será uma missão difícil. Deixam, de maneira geral, a escolha do eventual vice e o uso das verbas partidárias aos políticos, apesar de cada um ter sua preferência. Porém, pretendem avançar em iniciativas que irão de debates e tentativas de convencimento de grupos de relacionamento à exposição na mídia tradicional e ativismo organizado em redes sociais.

Em tempos de discurso de ódio, desinformação e guerrilha virtual afirmam que o movimento "quixotesco" fará a diferença nesta eleição. "A política, como a vida, é feita de surpresas e de imponderáveis", disse Eliana. "Nas últimas eleições, um candidato chegou à Presidência porque levou uma facada, posou de vítima e não participou dos debates."

Imprevisível

Para ela, até aquele evento imprevisível, a vitória de Bolsonaro estava fora do baralho e algo semelhante pode acontecer novamente, já que as projeções do futuro se baseiam em números do passado. "Essas projeções se fazem de forma linear, porque não há como projetar curvas inesperadas."

O objetivo dos apoiadores é evitar a eleição dos líderes das pesquisas. "(Tenho) a convicção de que o voto útil no primeiro turno engessa a polarização e empobrece o debate político", disse Eliana. "Os candidatos dos extremos tentam esvaziar candidaturas concorrentes para consolidar a polarização e, até mesmo em partidos do centro democrático, parece haver adesão ao voto útil." Para ela, é preciso mostrar que a ausência da discussão "corrói a democracia".

LEIA TAMBÉM: Se reeleito, Bolsonaro vai privatizar a Petrobras, diz Guedes

"A ideia é trazer propostas"

Fábio Barbosa, sócio da Gávea Investimentos, falou ao Estadão sobre o apoio a Simone Tebet. Veja os principais trechos da entrevista

Por que apoiar a senadora Simone Tebet à eleição presidencial?

Participo de muitos grupos (com preocupações ligadas à eleição) e ouvimos de muita gente que entende do assunto que eleição no Brasil é muito personalista: as pessoas querem saber qual é a "cara" de quem se está falando. Sem cara, não há terceira via. Agora, temos essa "cara" e a gente pode começar a trabalhar. No grupo de empresários e executivos, achávamos que (João) Doria e Tebet eram boas alternativas, razão pela qual estávamos aguardando a decisão para nos posicionar. Agora, precisamos mostrar quem é Simone Tebet para um grupo maior de pessoas.

A 3ª via tem chance?

De janeiro do ano passado até agora passaram-se 17 meses e eu já li 17 vezes que a terceira via foi dada como morta. Não obstante está aí. É lógico que é difícil e as chances são muito pequenas. Ninguém discute isso, mas não é jogo jogado.

O que Simone traz?

Nenhum dos dois candidatos que estão à frente nas pesquisas tem mostrado um plano de governo. A ideia é trazer propostas. Ela trabalha com a Elena Landau, que coordena especialistas em diversas áreas, com o olhar que não está sendo visto nos outros programas. Não vejo campanha de um candidato ou de outro discutir os problemas que afligem o País: as questões de desemprego, inflação, insegurança alimentar, segurança pública, saúde. Daqui para frente, a gente vai ver mais isso: ser mais propositivo.

LEIA TAMBÉM: Doria diz que tomará decisão sobre futuro na vida pública após viagem

O fato de ela ser mulher e do Centro-Oeste ajuda a atrair o eleitor?

Para começar, ela traz civilidade, propostas concretas e transparência para o debate. Agora, o fato de ser mulher, se tiver de ser usado, pode cativar uma parte do eleitorado. Ser do Centro-Oeste traz a ideia de um país que cresce. O Brasil cresce hoje no Centro-Oeste.

Além do manifesto, o que cabe mais à sociedade civil fazer?

O grande drama é tornar a candidata mais conhecida. Esse grupo da sociedade civil, que está mobilizado e é crescente, irá expor o máximo possível a candidata a grupos diferentes, sejam pequenos e formadores de opinião ou grandes, com outras pessoas, de outros segmentos da sociedade. A questão é: a gente acredita que ela está bem respaldada por pessoas que estão fazendo estudos importantes e, portanto, se nós a expusermos, ela tem condições de começar a encantar.

Esse apoio envolverá redes sociais?

Existe, sim, uma estratégia sendo montada. Não sou responsável pela estratégia de marketing e não posso entrar em detalhes, mas existe e acontecerá sem a agressividade. Queremos conversar com a parte da sociedade que não se sente representada por essa agressividade.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM