Brasil

Com Lula no Planalto, PT planeja indicar vice de Paes e criar ‘cinturão vermelho’ no Rio

Partido vai aproveitar máquina federal para atrair aliados e recompor influência nas cidades fluminenses; entre as prioridades estão a capital, a Baixada e a Região Metropolitana

O “cinturão vermelho” começou a ser construído nas eleições de 2020 (Danilo Martins Yoshioka/Anadolu Agency/Getty Images)

O “cinturão vermelho” começou a ser construído nas eleições de 2020 (Danilo Martins Yoshioka/Anadolu Agency/Getty Images)

AO

Agência O Globo

Publicado em 13 de novembro de 2022 às 09h00.

Derrotado em 72, dos 92 municípios fluminenses no segundo turno das eleições presidenciais, o PT quer aproveitar a retomada do controle da máquina federal para aumentar o tamanho do partido no Rio em 2024. Para isso, a legenda mira a vaga de vice do prefeito Eduardo Paes (PSD) e conta com o apoio de aliados heterogêneos para conquistar mais prefeituras no estado e formar bancadas em todas as câmaras municipais

O partido tem como prioridade capital, Região Metropolitana, cidades com mais eleitores na Baixada Fluminense e municípios do interior em que Lula saiu vitorioso nas urnas, além de Campos dos Goytacazes. No Rio, a ideia é reeditar a a dobradinha no segundo governo de Paes, em que Adilson Pires (PT) foi vice.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

De acordo com o deputado federal eleito e integrante da Executiva Nacional do PT Washington Quaquá, o “cinturão vermelho” prevê a distribuição de aliados em partidos de esquerda e centro-esquerda. Ex-prefeito de Maricá, ele diz que após a vitória de Lula as conversas avançaram. As negociações passam por apoio a candidatos a prefeito onde o PT não terá a cabeça de chapa, indicação de vices e dança das cadeiras nas bancadas federal e estadual, com a nomeação de titulares no governo abrindo vagas a suplentes aliados.

— Em Duque de Caxias, estamos conversando com o ex-prefeito (José Camilo) Zito, que deve se filiar a um partido aliado e receber nosso apoio. Em Magé, vamos abrir espaço para o deputado federal Ricardo da Karol (PDT), suplente na próxima legislatura, assumir uma cadeira na Câmara. Já em Campos, a conversa é com a ex-prefeita de São João da Barra (PP) Carla Machado, que tem forte influência na região — afirma o petista.

Na Baixada, Quaquá destaca a aliança com o prefeito de Belford Roxo, Wagner dos Santos (União), o Waguinho, que lançará candidatos em sua cidades e municípios vizinhos, todos com apoio do PT.

O “cinturão vermelho” começou a ser construído nas eleições de 2020. Naquele ano, o sonho de concretizar o plano quase saiu do papel. Em Niterói, o PT ajudou a eleger Axel Grael (PDT), e em Itaboraí fez uma inusitada aliança com o PL, elegendo Marcelo Delaroli prefeito e Lourival Casula (PT), vice. Em São Gonçalo, Dimas Gadelha (PT) terminou o primeiro turno na frente, mas foi derrotado no segundo por Capitão Nelson (Avante), que conseguiu a virada por margem mínima, após apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Um dos principais projetos do PT enquanto esteve no poder, o Complexo Petroquímico do Rio (Comperj) será usado na tentativa de retomar o poder na Região Metropolitana em 2024. Os investimentos atrairiam não só votos, mas apoio de políticos da região.

Berço do Comperj, em Itaboraí a aliança entre PL e PT que já vinha patinando, explodiu pouco antes das eleições, com o apoio de Delaroli a Bolsonaro e Lourival Casula, a Lula. O racha criou um mal estar e os dois romperam. O PT planeja que Lula, assim que assumir a Presidência, visite a região e anuncie um plano de retomada do Comperj. Com isso, a legenda turbinará a candidatura de Casula a prefeito, além de influenciar na eleição da vizinha São Gonçalo.

Embora evite comentar a disputa em 2024 e sua candidatura à reeleição, Capitão Nelson vê crescer a sombra de Dimas Gadelha, que foi eleito deputado federal, e deve se lançar candidato a prefeito.

— Meu foco é na administração da nossa cidade, a reeleição é consequência e não uma prioridade — disse.

Em Niterói, onde Lula teve maioria dos votos nos dois turnos, o PT deve manter a aliança com o PDT pela reeleição de Axel Grael. Mas a disputa remeterá à polarização com a candidatura do deputado federal bolsonarista Carlos Jordy:

— Não descarto ser candidato a prefeito de Niterói

LEIA TAMBÉM: 

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaPT – Partido dos TrabalhadoresRio de Janeiro

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame